Inadimplência das famílias cai para 4,12% em junho

Concessão de crédito segue em recuperação, mas ritmo pode esbarrar em taxa de juros mais elevada nos próximos meses.

A concessão de recursos livres às famílias, que em março apontava retração de -4,05%, agora registra alta de 8,20% nos dados acumulados em 12 meses, segundo o Banco Central. A tendência observada foi antecipada pela Boa Vista, no caso, pelo indicador de Demanda por Crédito. No mesmo período, o indicador da empresa, para o segmento financeiro, passou de -2,9% para 10,2%. Em junho, a inclinação da curva diminuiu em relação ao período entre os meses de abril e maio, em parte devido ao fato de que o efeito base está ficando para trás. Mas na avaliação dos economistas da Boa Vista, a expectativa de elevação na taxa de juros tende a reduzir o ímpeto do consumidor que busca por crédito.

Dentre os destaques, na mesma base de comparação anterior, o crescimento das concessões na linha de cartões de crédito passou de 4,7% em maio para 8,6% em junho; na aquisição de veículos, o crescimento atingiu 20,1%, ante 17,1% no mês de maio; e o crédito consignado apontou crescimento de 11,7% em junho, contra 8,7% em maio. O crédito para aquisição de outros bens continua forte, mas desacelerou no período, de 37,0% para 36,5%.

A inadimplência total do sistema financeiro se manteve estável, mas a inadimplência das famílias com recursos livres caiu de 4,18% para 4,12% no mês de junho. Apesar do resultado ter revertido uma tendência de três altas consecutivas na série, a expectativa para o final do ano ainda é de elevação, tanto que o indicador de Registros de Inadimplentes da Boa Vista apontou desaceleração da queda na análise de longo prazo, medida pela variação acumulada em 12 meses, ao passar de -20,0% para -17,4% entre os meses de maio e junho.

A taxa de inadimplência deve voltar a subir ao longo do ano, e motivos para isso não faltam. Primeiro, os fatores que ancoraram a inadimplência em 2020 não se fazem mais presentes, pelo menos não na mesma intensidade. O impacto disto tende a ser sentido mais pelos consumidores do que pelos credores, uma vez que a inadimplência não apenas permaneceria em patamares, historicamente baixos, como também as provisões feitas no ano passado foram grandes o suficiente para suportar esse período de maior risco, ou seja, a cobertura dos credores contra perdas é maior.

De modo geral, o consumidor se depara, de imediato, com uma taxa de juros maior e com uma inflação resistente. Como se isto não bastasse, o mercado de trabalho segue desaquecido, e tanto o comprometimento de renda quanto o endividamento estão mais elevados. Em poucas palavras, são muitos, e relevantes, os fatores que devem pesar contra o orçamento das famílias, mesmo no período pós-pandemia.

A taxa de juros caiu um pouco, de 39,94% para 39,89% em junho e, mais uma vez, enquanto o custo de captação subiu, de 7,22% para 7,26%, o spread bancário andou na direção contrária e encerrou o mês de junho em 32,63 pontos percentuais, ante 32,72 em maio. A variação, para cima, no custo de captação não é surpreendente, dado que a taxa básica de juros, Selic, está num ciclo de alta. A expectativa para a Selic ao final do ano, que já foi de 3,00%, passou para 7,00% segundo o Boletim Focus mais recente. A taxa, que agora está em 4,25%, deve subir ainda mais nas reuniões que estão por vir do Comitê de Política Monetária. A próxima delas, por sinal, na semana que vem, nos dias 3 e 4 de agosto.

Já segundo analistas do Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc (MUFG), o desempenho do crédito em julho deve seguir crescendo em linha com a melhora da pandemia e da atividade econômica.

“Aliás, esses fatores serão os principais impulsionadores do mercado de crédito ao longo do ano. O avanço da vacinação e a redução das internações por causa da Covid-19 estão permitindo ao governo amenizar as restrições, favorecendo a atividade econômica. Além disso, o auxílio emergencial pode dar alguma sustentabilidade à demanda, principalmente de produtos e serviços de preços mais baixos. E, uma vez que avance a recuperação da atividade, os indicadores do mercado de trabalho também podem melhorar, beneficiando o mercado de crédito. É verdade que a taxa Selic está subindo, mas a autoridade monetária está apenas reduzindo o estímulo monetário, levando a taxa básica para o seu nível neutro”, diz o texto.

Segundo ele, em relatório, “nesse cenário, os riscos para o mercado de crédito são o agravamento da pandemia, a crise hídrica que resulte em racionamento de energia elétrica e a deterioração da inflação que obrigue o Banco Central a elevar a taxa de juros para níveis acima do neutro.”

Leia também:

Vacina puxa procura de consumidor por crédito para negociar dívidas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

‘Estados nunca respeitaram o princípio da seletividade’

Segundo tributarista, lei do ICMS 'nada mais fez do que acompanhar decisão do STF'.

Últimas Notícias

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

China intensifica esforços para aliviar carga tributária das empresas

Os ministérios da China lançaram uma série de políticas de apoio, com o objetivo de manter as empresas e os negócios autônomos à tona, em meio à epidemia de COVID-19, com foco no corte de taxas e impostos.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.

Presidente do Egito inaugura teste de VLT fabricado na China

O primeiro sistema de transporte Veículo Leve sobre Trilhos Eletrificados (VLT) do Egito, construído em conjunto por empresas chinesas e egípcias, começou seu teste no domingo.