Incrédulos

Apenas 4% dos usuários de computador não vêm necessidade de proteger o PC contra vírus. Há dez anos, apenas pouco mais de um terço dos usuários de computador tinha alguma proteção antivírus instalada em seu computador. A pesquisa foi feita pela empresa alemã Avira, em comemoração ao lançamento do Free Antivírus, realizado há uma década. A companhia consultou 5.543 internautas de todo o mundo. Em 1999, 32% dos participantes sequer tinham computador em casa.

De olho na indústria
Será estruturado este ano o Observatório das Relações Tecnológicas da Indústria no Comércio Exterior, que fará um levantamento detalhado das exportações e importações, classificando os produtos pela intensidade tecnológica agregada nos diversos setores da indústria de transformação segundo o critério da OCDE. O objetivo é verificar os resultados macroeconômicos das políticas públicas de apoio à inovação tecnológica. “A partir dessas informações colhidas será possível determinar quais são as principais carências tecnológicas, os estrangulamentos setoriais e montar um mapa da inovação para orientar a elaboração de programas e atender melhor as demandas das empresas”, esclarece Roberto Nicolsky, diretor geral da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), que desenvolve o observatório em parceria com o Instituto de Economia da UFRJ.

Contra os direitos
As críticas às declarações de intenções que constam do III Programa de Direitos Humanos só podem surpreender os mais incautos. Afinal, o que esperar dos beneficiários e dos apoiadores da ditadura e dos latifúndios da mídia? Que passem a negar seu passado e defender a democratização da comunicação no país?

Popularidade&apoio
A derrota do candidato da Concertação, Eduardo Frei, para o neopinochetista Sebástian Piñera na eleição para presidente do Chile coloca em xeque pesquisas que apontam presidentes com níveis de aprovação que beiram à unanimidade. A serem verdadeiras tais medições, quem circulasse pelas ruas de Chile e Brasil, a cada dez pessoas que encontrasse, esbarraria oito vezes num apoiador de Michele Bachelet e Lula. É o risco de confundir popularidade com concordância.

Fantasias
Em países cujos presidentes têm elevado nível de exposição à mídia, principalmente a televisiva, e inexiste oposição efetiva e forte a suas políticas econômicas na imprensa financista, é natural que os ocupantes dos Executivos gozem de relativa simpatia em alguns círculos da população. Para saber se tal sensação se converte ou não em apoio ao governo, no entanto, é preciso medir a opinião dos locais em relação às principais áreas do governo, como emprego, saúde, educação e segurança. Ou seja, sair do mundo simbólico para a vida real dos eleitores.

Artigo anteriorTerremoto Antoine
Próximo artigoBerlusconi chileno
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.