Incrédulos

Apenas 4% dos usuários de computador não vêm necessidade de proteger o PC contra vírus. Há dez anos, apenas pouco mais de um terço dos usuários de computador tinha alguma proteção antivírus instalada em seu computador. A pesquisa foi feita pela empresa alemã Avira, em comemoração ao lançamento do Free Antivírus, realizado há uma década. A companhia consultou 5.543 internautas de todo o mundo. Em 1999, 32% dos participantes sequer tinham computador em casa.

De olho na indústria
Será estruturado este ano o Observatório das Relações Tecnológicas da Indústria no Comércio Exterior, que fará um levantamento detalhado das exportações e importações, classificando os produtos pela intensidade tecnológica agregada nos diversos setores da indústria de transformação segundo o critério da OCDE. O objetivo é verificar os resultados macroeconômicos das políticas públicas de apoio à inovação tecnológica. “A partir dessas informações colhidas será possível determinar quais são as principais carências tecnológicas, os estrangulamentos setoriais e montar um mapa da inovação para orientar a elaboração de programas e atender melhor as demandas das empresas”, esclarece Roberto Nicolsky, diretor geral da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), que desenvolve o observatório em parceria com o Instituto de Economia da UFRJ.

Contra os direitos
As críticas às declarações de intenções que constam do III Programa de Direitos Humanos só podem surpreender os mais incautos. Afinal, o que esperar dos beneficiários e dos apoiadores da ditadura e dos latifúndios da mídia? Que passem a negar seu passado e defender a democratização da comunicação no país?

Popularidade&apoio
A derrota do candidato da Concertação, Eduardo Frei, para o neopinochetista Sebástian Piñera na eleição para presidente do Chile coloca em xeque pesquisas que apontam presidentes com níveis de aprovação que beiram à unanimidade. A serem verdadeiras tais medições, quem circulasse pelas ruas de Chile e Brasil, a cada dez pessoas que encontrasse, esbarraria oito vezes num apoiador de Michele Bachelet e Lula. É o risco de confundir popularidade com concordância.

Fantasias
Em países cujos presidentes têm elevado nível de exposição à mídia, principalmente a televisiva, e inexiste oposição efetiva e forte a suas políticas econômicas na imprensa financista, é natural que os ocupantes dos Executivos gozem de relativa simpatia em alguns círculos da população. Para saber se tal sensação se converte ou não em apoio ao governo, no entanto, é preciso medir a opinião dos locais em relação às principais áreas do governo, como emprego, saúde, educação e segurança. Ou seja, sair do mundo simbólico para a vida real dos eleitores.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTerremoto Antoine
Próximo artigoBerlusconi chileno

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.

Mirando agora na PEC dos Precatórios

Ultrapassada a decisão do Copom, investidores vão mirar na avaliação da PEC cheia de 'jabutis' que ainda não foram retirados.