Indicador de Incerteza da Economia recua 7,1 pontos em abril

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas recuou 7,1 pontos em abril na comparação com março. Ao registrar 129,4 pontos, o IIE-Br se distancia de seu pico histórico, de 210,5 pontos, mas ainda está 14,3 pontos acima do nível de fevereiro de 2020, último mês antes da chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil.

“Nos últimos dois meses, o indicador de incerteza aterrissou em nível ainda elevado, com alta em março e queda em abril. A queda de abril foi motivada pela melhora progressiva dos números da pandemia recentemente, levando ao gradual relaxamento das medidas de restrição à circulação em diversos estados, além do avanço, também gradual, das campanhas de imunização contra a Covid-19 no Brasil. A acirrada corrida entre o controle da Covid-19 e a imunização da população é refletida na manutenção do nível elevado de incerteza, muito acima do nível médio de 115 pontos vigente entre 2015 e 2019”, afirma Anna Carolina Gouveia, economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas.

Os componentes do Indicador de Incerteza caminharam no mesmo sentido em abril, exercendo contribuições semelhantes para a evolução na margem do indicador geral. O componente de Mídia recuou 4,1 pontos, para 125,4 pontos, contribuindo negativamente em 3,6 pontos para a queda do IIE-Br no mês. O componente de expectativas, que mede a dispersão das previsões para os 12 meses seguintes, recuou em 16,2 pontos, para 133,2 pontos, contribuindo de forma negativa, em 3,5 pontos, para a evolução na margem do indicador agregado. Ambos os componentes ainda estão distantes do nível pré-pandemia (fevereiro de 2020): uma diferença de 12,4 pontos do componente de mídia e 15,9 pontos do componente de expectativa.

“O patamar extremamente elevado do componente de Expectativas e sua lenta redução a patamares menos desconfortáveis, reflete a enorme dificuldade de se prever variáveis econômicas 12 meses à frente. A continuidade das campanhas de vacinação, no entanto, vem aumentando a previsibilidade da economia com a possibilidade de normalização da atividade econômica no horizonte à frente, levando à maior convergência das previsões de especialistas”, continua Anna Carolina.

Leia também:

Ipea aponta queda de 1,1% nos investimentos em fevereiro

Artigos Relacionados

Brasil volta a defender quebra de patente

Um dia após declarar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que “sou contra a quebra de patente”, como forma de flexibilização de...

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.