Índice médio da inadimplência condominial em SP cai no 3º trimestre

Queda da inadimplência na locação de imóveis para o nível próximo à pré-pandemia sinaliza equilíbrio no mercado.

O índice médio de inadimplência no pagamento de boletos condominiais no Estado de São Paulo, no terceiro trimestre deste ano, foi de 2,11%, a menor média para um período de três meses desde o início da medição, em 2004. Em igual período do ano passado, a média do trimestre ficou em 2,61%. Os dados são do levantamento da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios do Estado de São Paulo (AABIC), a maior entidade representativa do setor.

O Índice Periódico de Mora e Inadimplência Condominial (Ipemic) demonstra uma curva de redução nos atrasos desde o primeiro trimestre desde ano, apesar dos impactos da segunda onda da pandemia da Covid-19 provocados na economia e nos orçamentos familiares. No período entre janeiro e março de 2021, o Ipemic registrou média de 2,45%, caindo para 2,14% no trimestre seguinte até atingir o percentual de 2,11% no fechamento do trimestre encerrado em setembro.

Na sua metodologia de monitoramento, a AABIC considera para cálculo da inadimplência o atraso no pagamento dos boletos condominiais por pelo menos 90 dias consecutivos. Para José Roberto Graiche Júnior, presidente da AABIC, a evolução da média trimestral pode ser avaliada como importante sinalizador da consolidação de queda da inadimplência condominial no Estado. “A pandemia fez com que os condôminos valorizassem ainda mais o local onde vivem e os serviços prestados. Se o Brasil passar os próximos meses sem sustos e crise econômica, podemos projetar um cenário de estabilidade na taxa de inadimplência”, analisa Graiche Júnior.

O pagamento da taxa condominial é utilizado para manter o local nas melhores condições, como limpeza, segurança, e para pagamentos de tributos como água e energia, taxas bancárias, além de salários dos funcionários, serviços prestados pelas administradoras de condomínios e outros serviços.

Inadimplência

O Índice Periódico de Mora e Inadimplência Locatícia (Ipemil), que mede a taxa de atrasos em pagamentos de alugueis em imóveis comerciais e residenciais, registrou percentual médio de 1,88% no terceiro trimestre deste ano. O número representa o menor percentual de inadimplência para o período de três meses de medição desde o primeiro trimestre de 2020. Naquele período, fase pré-pandêmica, o Ipemil documentou índice médio de 1,32%.

“A queda da inadimplência na locação de imóveis para o patamar próximo ao índice pré-pandêmico sinaliza um equilíbrio no mercado e tendência de queda, sobretudo com a retomada das atividades econômicas conforme o avanço da vacinação”, ressalta Graiche Júnior. O IPEMIL já apontou para uma redução mais acentuada no mês de setembro, com taxa de 1,67%, o menor percentual do ano de 2021 e também abaixo do mesmo mês do ano passado, que oscilou para 2,65%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Endividamento pode afetar uso do 13º nas compras de fim de ano

FecomercioSP está otimista com o pagamento do 13º.

PL pode liberar pagamento de salário em criptomoedas no Brasil

Receber parte do salário em moeda digital já é discutida em outros países.

Últimas Notícias

Embaixador: A China é muito importante para Chile

“Queremos mostrar ao mundo, principalmente à China, que mesmo Chile sendo um país pequeno na costeira da América do Sul e na borda do mundo, está bem perto da China”, disse em uma entrevista Luis Schmidt Montes, Embaixador Chileno na China.

Caixa e BB são destaques em governança mas Guedes quer privatizar

Estatais converteram prejuízo de R$ 35 bi em 2015 para superávit de R$ 135 mi em 2021.

O leilão beneficente da Jaguar Parade

Fundos se destinam à conservação de onças-pintadas em seus habitats.

Venda de imóveis novos em SP mantém estabilidade em outubro

Em valores monetários, houve queda do Valor Global de Vendas em relação a outubro de 2020.

Nova energia, fabricação de equipamentos de tecnologia e PMEs em 2022

O mercado de ações A-Share da China parece positivo para o próximo ano. Novas energias, fabricação de equipamentos de alta tecnologia e pequenas e médias empresas (PMEs) são áreas com grande potencial de investimento, de acordo com uma pesquisa recente realizada com 109 especialistas de indústrias na gestão de ativos.