Indústria de roupas esportivas da China ascende com marcas locais

Com a moda chinesa popularizando entre a geração mais jovem, a indústria nacional de roupas esportivas da China teve um crescimento vertiginoso graças em parte aos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing.

ANTA é o parceiro oficial de vestuário esportivo para o Comitê Organizador de Beijing 2022. (Xinhua)

Xinhua - Silk Road

Fuzhou, 30 mar (Xinhua) — Suéteres com características chinesas atraentes, casacos cobertos de listras de tigre, sapatos com desenhos florais tradicionais. As roupas esportivas nacionais da China são a última moda entre a sua geração jovem, à medida que começam a mudar das marcas internacionais para as marcas domésticas.

Por trás desta moda chinesa, ou guochao, está uma florescente indústria e mercado de vestuário esportivo chinês alimentado em parte pelos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022, emergindo como uma nova força motriz para o crescimento econômico da China.

ANTA Sports, uma marca chinesa de roupas esportivas, divulgou os seus dados em 22 de março, dizendo que a sua receita em 2021 atingiu 49,3 bilhões de yuans, um aumento de 38,9% em relação ao ano anterior. De acordo com a Euromonitor, uma empresa global de pesquisa de mercado, a ANTA Sports detinha uma participação de mercado de 16,2% em calçados e vestuário esportivo da China em 2021, superando os 14,8% da Adidas e se aproximando dos 25,2% da Nike, representando a maior participação de mercado.

Com a ascensão das marcas nacionais, aumentam as demandas dos produtos. “Continuaremos incentivando a inovação tecnológica em esportes de performance e oferecendo a melhor experiência de produto para consumidores com poderes de compras diferenciados”, disse Wu Yonghua, diretor executivo da ANTA Sports.

Anta possui um portfólio de marcas que inclui ANTA, FILA, DESCENTE, SPRANDI, KINGKOW e KOLON SPORT. (Xinhua)

Outros participantes do mercado como Li-Ning e XTEP também não podem ser desconsiderados. A XTEP não cedeu à crescente pressão descendente sobre a economia da China, agravada por surtos esporádicos de COVID-19. Em vez disso, a sua receita dobrou em relação a 2017, ultrapassando 10 bilhões de yuans pela primeira vez em 2021.

Shuhua Sports, fornecedora oficial de equipamentos de ginástica para os Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing, divulgou recentemente o seu plano estratégico para 2030, prometendo atingir 10 bilhões de yuans em vendas até o ano.

“O mundo vê diferentes marcas chinesas por meio de Beijing 2022, à medida que mais marcas e produtos domésticos se tornaram reconhecidos em todo o mundo”, disse Zhang Weijian, CEO da Shuhua Sports.

A ascensão das marcas domésticas contribui para as perspectivas otimistas da indústria de roupas esportivas da China no longo prazo.

“O crescimento contínuo das marcas domésticas melhorará ainda mais as cadeias de suprimentos upstream e downstream, estimulando o progresso econômico e social regional”, disse Zhang Qing, fundador da Key-Solution, uma consultoria esportiva.

Talvez na próxima década, um polo de roupas esportivas com influência global surja no sudeste da China, região onde muitos fabricantes de roupas esportivas se concentram, acrescentou Zhang.

Leia também:

China observa maiores remessas de fones de ouvido sem fio em 2021

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Comércio da China com países do Cinturão e Rota registra crescimento

Os laços econômicos e comerciais da China com os países ao longo do Cinturão e Rota se fortaleceram significativamente na última década, afirmou Sheng Qiuping, vice-ministro do Comércio da China, nesta sexta-feira.

Produção de chá eletrificada impulsiona indústria de chá na China

A produção de chá eletrificada na Província de Hunan, na região central da China, um dos setores de eletrificação rural promovidos pela State Grid Hunan Electric Power Co., Ltd., está ajudando a indústria local de chá a prosperar em uma forma de produção mais verde e eficiente.

JD.com acompanha sua receita líquida crescer 18% no primeiro trimestre

A gigante do comércio eletrônico da China, JD.com, observou sua receita líquida aumentar 18% ano a ano no primeiro trimestre deste ano, informou o China Securities Journal.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais