Indústria do Rio abriu mais de 2.400 vagas em junho

Nove em 10 vagas perdidas de março a junho de 2020, por conta do isolamento e da pandemia, já foram reabertas.

A indústria do Estado do Rio abriu mais 2.455 novos postos de trabalho formais em junho, mais que o dobro do saldo observado em maio (1.150). No acumulado do ano, o saldo foi de 15.962 contratações. A análise feita pela Firjan, a partir da plataforma Retratos Regionais, mostra ainda que já foram reabertas 32 mil das 36,5 mil vagas da indústria fluminense fechadas de março a junho do ano passado, meses de maiores incertezas e restrições relacionadas à pandemia de Covid-19.

“A indústria fluminense encerrou o semestre com as contratações em alta. Importante também destacar que já foram reabertas quase nove em cada dez vagas perdidas de março a junho de 2020. Considerando o ritmo de recuperação, é bastante provável que o estoque de trabalhadores industriais pré-pandemia seja recuperado nos próximos meses no estado”, ressalta o presidente do Conselho Empresarial de Economia da Firjan, Rodrigo Santiago, que acrescenta que o bom desempenho do mercado de trabalho da indústria fluminense está disseminado. Em junho, todas as regiões e 63 dos 92 municípios do estado apresentaram saldo positivo de contratações. No acumulado do ano, 70 cidades registraram saldo positivo, com destaque para a capital (4.014), Macaé (3.250), Niterói (1.289), Nova Friburgo (1.090), Volta Redonda (1.019) e Campos dos Goytacazes (1.005), com mais de mil novas vagas.

Entre os segmentos industriais, a Construção Civil seguiu como a maior contratante em junho no estado, com mais 841 postos de trabalho, seguida pela confecção de artigos do vestuário e acessórios (367), indústrias extrativas (270) e manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (231). Esses setores também se destacaram no saldo do primeiro semestre. A construção civil registrou saldo acumulado de 6.662 em 2021, seguida por manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (2.756) e confecção de artigos do vestuário e acessórios (2.021).

Considerando todos os setores, o Estado do Rio abriu 16.002 novos postos de trabalho em junho. Além da indústria, os setores de serviços (9.060), comércio (4.097) e agropecuária (390) também registraram saldo positivo. Foi o segundo melhor desempenho do mercado de trabalho fluminense no ano e, pelo segundo mês consecutivo, o Rio de Janeiro foi o terceiro estado que mais abriu vagas com carteira assinada no país. No acumulado do ano, já foram abertos 64.418 novos postos de trabalho no estado, distribuídos entre serviços (39.614) – principalmente por conta das atividades ligadas à saúde – indústria e construção (15.962), comércio (5.689) e agropecuária (3.154).

Segundo o Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc (MUFG), em seu relatório sobre o mercado de trabalho em termos nacionais, “projetamos a taxa de desemprego em 14,6% para o segundo trimestre, um pouco abaixo do desempenho do primeiro trimestre, mas ainda elevado considerando a continuidade de medidas restritivas à atividade econômica para conter a propagação do vírus. Mantemos nossa expectativa a partir do terceiro trimestre de que a taxa de desemprego pode apresentar um melhor desempenho assumindo um estágio mais avançado de vacinação. Esperamos uma maior oferta de empregos em linha com a retomada gradual das atividades econômicas, assim, a taxa de desemprego deve atingir níveis em torno de 14,0% e 13,0%, respectivamente, para o terceiro e quarto trimestres.”

Leia também:

Criação de empregos formais contrasta com dados do IBGE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Últimas Notícias

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.