Indústria naval perdeu 81% dos postos de trabalho

Governo precisa dar apoio à indústria naval por meio do encaminhamento de demandas aos estaleiros nacionais.

O vice-presidente executivo do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), Sérgio Bacci, durante reunião remota da Comissão da Indústria Naval, de Offshore e de Petróleo e Gás, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), realizada nesta segunda-feira, afirmou que a quantidade de empregos no setor naval brasileiro caiu 81,8%, desde 2014.

Segundo Bacci, o governo precisa dar apoio à indústria naval por meio do encaminhamento de demandas aos estaleiros nacionais. “Em 2014, a indústria naval brasileira chegou a ter aproximadamente 82 mil empregos diretos e 200 mil indiretos. Se considerarmos que cada família brasileira é composta por mais ou menos quatro pessoas, significa que a indústria naval atendia cerca de um milhão de cidadãos. De 2014 para cá, com a mudança de política na Petrobras, o número de empregos caiu, e hoje temos menos de 15 mil empregos nos estaleiros do país. A Petrobras sempre foi a maior indutora de demanda da indústria naval. O governo precisa dar apoio a esse setor, pois não há estaleiro que sobreviva somente de reparos, os estaleiros precisam de construção”, explicou.

Participante da reunião, o secretário executivo do Sinaval, Sérgio Leal, também reforçou a importância dos estaleiros na geração de empregos. “A indústria brasileira tem muito a agregar em termos de conteúdo local e nacional, de materiais e equipamentos de alta qualidade, e muitos deles são incorporados a produtos estrangeiros, que são exportados pelas indústrias brasileiras. Essa indústria brasileira, subsidiária do setor naval, multiplica o número de empregos na construção naval. Cada local onde se constrói um estaleiro passa a ser um lugar de progresso, onde todo o comércio e todos os serviços se situam para fornecer para aquele núcleo industrial do estaleiro”, frisou.

Presidente da comissão, a deputada Célia Jordão (Patriota) destacou a importância dos trabalhos realizados pelo colegiado para reerguer o setor no estado do Rio, por meio de visitas a estaleiros e reuniões com autoridades da indústria naval. “A indústria marítima tem toda uma economia ao seu redor, e por isso essa comissão tem um importante papel de encontrar soluções para gerar demandas para o setor. Pretendemos realizar visitas técnicas aos estaleiros fluminenses e fazer uma reunião com o novo presidente da Petrobras e entender qual o procedimento e o foco da empresa, que é a principal indutora desse setor”, declarou a parlamentar.

De acordo com o deputado Felipe Peixoto (PSD), relator da comissão, é necessário trabalhar de forma mais assertiva na formação de profissionais da área, nos incentivos fiscais e no licenciamento: “Na área de formação, temos a Faetec, mas precisamos saber se os cursos ofertados e os equipamentos utilizados para aplicar o curso são suficientes. Outra questão é o incentivo fiscal, pois nós estamos em processo de recuperação fiscal no estado, mas o Rio precisa ser competitivo. Outra questão que influencia bastante é o licenciamento, pois o processo licitatório no Rio de Janeiro é muito burocrático, e precisa ser simplificado. A comissão está à disposição para ouvir sugestões de todas as autoridades que têm estado conosco”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

Feriado nos EUA deve reduzir liquidez global nesta segunda-feira

Hoje é Dia da Independência no país; na Europa, principais Bolsas operam em alta e na Ásia, fecharam sem direção única.

Criptomoedas: avaliações sobre o 1º semestre e perspectivas para o 2º

Alta dos juros e Ucrânia derrubaram cotações, dizem especialistas.

Últimas Notícias

Café torrado, óleo de soja e leite UHT retraem em 2022

Cesta de bens de consumo massivo representará 37% da renda dos latino-americanos em 2022.

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

China intensifica esforços para aliviar carga tributária das empresas

Os ministérios da China lançaram uma série de políticas de apoio, com o objetivo de manter as empresas e os negócios autônomos à tona, em meio à epidemia de COVID-19, com foco no corte de taxas e impostos.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.