Indústrias têm cenário menos negativo no 4º trimestre

No último trimestre 58% das empresas funcionam normalmente e tem saldo positivo de vagas.

A queda nos índices de avaliação ruim ou péssima dos empresários das micro e pequenas indústrias com relação aos negócios, faturamento e margem de lucro indicam um cenário menos negativo na comparação setembro e outubro. A conclusão tem base na pesquisa Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria, realizado pelo Datafolha, a pedido do Sindicato das Micro e Pequenas Indústrias do Estado de São Paulo (Simpi), segundo a qual, o Índice de Satisfação Econômica subiu de 111 para 120 pontos, numa escala que varia de 0 a 200. Conforme mostra o gráfico a seguir, o resultado é o segundo melhor do ano desde janeiro, mas está longe de apresentar melhora significativa.

De acordo com a pesquisa, o último trimestre do ano começou com um cenário menos negativo do que setembro. Entre os fatores positivos está a retomada da atividade, que em outubro atingiu o melhor resultado do ano, com 58% das micro e pequenas indústrias funcionando normalmente. No entanto, 23% delas ainda estão com uma pequena parte das atividades paradas. Outras 15% estão com a maior parte das atividades paradas e 3% totalmente paradas.

O número de micro e pequenas indústrias com clientes em débito oscilou de 33% para 31% entre setembro e outubro. Apesar de alto, os dados apontam que o índice ficou abaixo da média histórica do levantamento, que é de 41%.

Com relação aos valores devidos, 17% das micro e pequenas indústrias deixaram de receber o equivalente a até 15% do seu faturamento. Outras 6% deixaram de receber valores que representam entre 15% e 30% do faturamento; 7% deixaram de receber valores que representam mais de 30% do faturamento.

De acordo com a pesquisa, o índice de contratações e demissões das micro e pequenas indústrias passou de 101 para 104 pontos, permanecendo acima dos 100 pontos pelo quarto mês consecutivo, o que indica ganho líquido de vagas.

Na avaliação do presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria no Estado de São Paulo (Simpi), Joseph Couri, os dados indicam uma leve melhora no cenário, mas ainda longe do ideal. “Essa reversão das expectativas negativas que a pesquisa vinha indicando anteriormente reflete um otimismo temporário por conta do final de ano, quando tradicionalmente há aumento na demanda e, consequentemente, geração de vagas. Mas não podemos confundir os indicadores positivos com uma retomada em meio à crise, pois os custos de produção continuam elevados e com tendência de mais aumento. Além disso, final do ano significa para as empresas também o pagamento do 13º salário aos funcionários, e nem todas estão preparadas para esse desembolso”, ressalta.

Leia também:

CNI: emprego na construção rompe tendência de queda em outubro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Últimas Notícias

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.

Inadimplência cresce e atinge 61,94 milhões de brasileiros

Número de inadimplentes no país teve crescimento de 5,59% em comparação a abril de 2021; média das dívidas é de R$ 3.518,84.