Ineficiência, desperdício e desvios na Saúde

No ano passado, foram realizados pelos planos de saúde 272,9 milhões de consultas médicas, 141,1 milhões de atendimentos ambulatoriais, 7,8 milhões de internações, 796,7 milhões de exames complementares e 69,9 milhões de terapias. No SUS, em 2014 (último dado disponível), foram 4,1 bilhões de procedimentos ambulatoriais, 1,4 bilhão de consultas médicas e 11,5 milhões de internações. Os números são desproporcionais, mas os gastos de ambos são relativamente próximos. Foi em 2014 que os gastos dos planos de saúde com internações, exames, terapias e consultas superaram, pela primeira vez, os do Ministério da Saúde (o Brasil é o único país com assistência pública universal em que isto acontece). As operadoras desembolsaram naquele ano R$ 104,6 bilhões (hoje já se alcançou R$ 140 bilhões). Já o Ministério da Saúde, R$ 98 bilhões. Os dados são da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), que representa os planos. Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), cerca de 25% dos brasileiros têm plano de saúde. Ou seja: o Governo Federal gasta menos do que os planos de saúde e assiste a um número muito maior de pacientes.

Um apressado poderia argumentar que há uma disparidade de qualidade. Mas até que ponto este argumento é, hoje, válido? Já é comum clientes de planos de saúde terem que esperar mais de dois meses para marcar um exame um pouco mais complexo que o de sangue, ou uma consulta com algum médico especialista (se for “particular” – como se o paciente com plano não o fosse – marca-se para o dia seguinte). Se os hospitais privados oferecem uma boa hotelaria, os procedimentos complexos, como câncer e coração, ficam para os públicos.

Sempre se afirmou que os desvios na saúde pública prejudicam o bom atendimento da população – que, não à toa, recorre aos caros planos de saúde. Mas, nestes, 30% dos gastos são desperdícios. A conta foi revelada pela presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Solange Beatriz, que representa as seguradoras. Assim, ao cumprir de forma ineficiente seu papel de fiscalizar o que paga, as operadoras de planos repassam aos consumidores custos maiores do que deveria. O resultado são planos caros e reajustes muito superiores à inflação. Nos últimos dez anos, aplicado o índice anual autorizado pela ANS para planos individuais ou familiares, o aumento alcança 144%, praticamente o dobro da inflação no período (74% pelo IPCA). No segmento empresarial, onde as empresas não são controladas, pode-se fazer a ilação de que a alta foi quatro vezes maior.

Repassa-se assim para o consumidor a ineficiência ou falta de vontade em fiscalizar e coibir desperdícios e fraudes. O resultado é que o número de beneficiários minguou em 1,5 milhão nos últimos 15 meses. Como em todo setor de baixa concorrência, busca-se ganhar mais em cima de menos clientes. É uma conta que não fecha no médio prazo, quem dirá no longo. Mas quem se preocupa com isso?

 

Café e mais

As diretoras da RioPress Assessoria de Imprensa e Dom Graphein Consultoria, Solange Ramos e Luciana Boschi, respectivamente, se unem para lançar o Café&Negócios, um evento que ocorrerá todo mês, na primeira quinta-feira, e que visa proporcionar novos contatos e formas de negócios aos participantes. O primeiro encontro ocorrerá dia 6, das 8h30 às 10h30, na Rua Buenos Aires, 93/205, Centro do Rio.

Para Solange, o bom empreendedor tem que ter a noção do quanto é importante fazer networking e estar aberto a opiniões, sugestões e críticas. Os interessados em participar devem se inscrever pelo telefone (21) 2224-9193, Whatsapp (21) 99989-7313 ou em www.sympla.com.br/pitch-cafe__155708. São apenas 20 vagas.

 

Fora, Temer!

As centrais sindicais queimaram cartucho ao tentar realizar nova greve geral, nesta sexta-feira. O movimento não teve um décimo da convocação da primeira greve, em abril. O resultado foram atos isolados, alguns angariando mais antipatia do que apoio.

Uma manifestação bem convocada com o mote “Fora, Temer!” teria sido uma opção muito melhor (e de quebra teria cobertura ao vivo da Rede Globo, neoinimiga do presidente).

 

Rápidas

O Instituto Nebari realizará na próxima quarta-feira, de 14h às 17h, na Livraria Leitura (Shopping Via parque – Avenida Ayrton Senna, 3.000, Barra da Tijuca, RJ), a oficina de negócios “Seja você! Conecte-se com o seu propósito!”, sobre autoconhecimento, um dos fatores para o crescimento pessoal. Inscrição em http://encurtador.com.br/zAEW9 *** A Associação Comercial do Rio (ACRJ) realiza, na próxima quinta-feira, debate sobre os desafios da conservação. Participa o secretário municipal de Conservação e Meio Ambiente, Rubens Teixeira *** Morreu na noite dessa quinta-feira, aos 61 anos, após dez meses lutando contra um câncer, o jornalista Paulo Nogueira, que criou e dirigia o site Diário do Centro do Mundo, uma das trincheiras do bom jornalismo e de oposição ao governo de Michel Temer.

Artigo anteriorDono da caneta
Próximo artigoDesmonte naval
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Chile, Paraguai, Colômbia… e o Brasil?

Crises políticas e sociais nos países vizinhos acendem alerta.

Na pandemia, BNDES vendeu ações que agora valem o dobro

Em nove meses, banco perdeu R$ 8 bi só em 1 operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conteúdo online voltado para o ensino e para ganhar dinheiro

Cada vez é mais possível aproveitar o conteúdo online para avanços desde a fluência do inglês das crianças a até aprender a operar como trader na bolsa.

Queda de faturamento atinge 82% dos MEI

Em Minas, 60% dos microempreendedores individuais formalizados na pandemia abriram o negócio por oportunidade.

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de alguns itens.

Manhã de hoje é negativa em quase todo o mundo

Em Nova Iorque, Dow Jones e S&P futuros cediam 0,10% e 1,04%, respectivamente.

Projeção da Selic é de 5% no final deste ano

Para o ano que vem, analista projeta 6,5%, dado o alerta do Copom sobre o ritmo de normalização após reunião de junho.