Inflação da saúde

Em 30 de junho, esta coluna questionou os estratosféricos gastos dos planos de saúde e os aumentos com que os clientes têm que...

Em 30 de junho, esta coluna questionou os estratosféricos gastos dos planos de saúde e os aumentos com que os clientes têm que arcar para bancá-los. Nesta segunda-feira, o jornal espanhol El País, em sua edição brasileira, faz coro à crítica, na matéria “Se a inflação anual é de 2,71%, por que planos de saúde têm reajustes de 46%?” “Há uma falha de regulação. Os dados que temos não justificam um aumento tão expressivo nos valores cobrados”, argumenta na matéria Heron do Carmo, professor da USP e economista especializado em processos inflacionários. “Os dados aos quais se refere são do IPCA: nos últimos 12 meses, remédios e outros produtos farmacêuticos tiveram um aumento de apenas 5,12%, enquanto que os serviços hospitalares subiram 4,31%.” Nos últimos dez anos, mostrou a coluna, aplicado o índice anual autorizado pela ANS para planos individuais ou familiares, o aumento alcança 144%, praticamente o dobro da inflação no período (74% pelo IPCA). No segmento empresarial, principal motivo da matéria do El País, a alta foi muitas vezes maior.

A nota da coluna gerou reação da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que enviou resposta, sem porém acrescentar qualquer dado que esclarecesse os elevados reajustes e altos custos repassados para os consumidores, apenas confirmando o escandaloso percentual de desperdícios e desvios – número, aliás, revelado pela própria presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz. Ao jornal espanhol, a Federação alinha alguns argumentos: “Em 2016, o número de procedimentos cresceu 6,4%, totalizando 1,5 bilhão. Ao mesmo tempo, o segmento perdeu 2,7 milhões de clientes em dois anos. José Cechin, diretor-executivo da FenaSaúde, admite que esta queda não é a principal explicação para maiores aumentos de mensalidades, mas acredita que há um risco de que cada vez mais pessoas abandonem seus planos e a cobertura se elitize, aumentando por sua vez o risco de colapso do próprio setor. Esta tendência, ele explica, vem deixando as empresas em ‘polvorosa’. ‘Mas se o preço da ressonância magnética aumenta 20% e a quantidade de exames em 25%, o efeito combinado disso é um aumento de quase 50% na despesa. E é esse o valor que está embutido nos aumentos’, explica.”

Em outras palavras, os aumentos de despesa são passados diretamente para o consumidor e as operadoras não assumem riscos, segundo avalia Mario Scheffer, da USP”, continua o El País – tese defendida em 30 de junho por esta coluna. Fica difícil explicar por que a ressonância – para ficar no exemplo mencionado – teve alta tão expressiva; mais complicado ainda é justificar a alta de 25% no número de exames. Isto deve ir para a conta de desperdício e desvios, e para o bolso do cliente.

A matéria de El País finaliza citando as ameaças aos consumidores de planos e seguro saúde que pairam no Congresso Nacional. Mostra que operadoras e seguradoras doaram, em 2014, quase R$ 55 milhões a 131 candidatos – inclusive o atual ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

Código de Infrações

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) recebe a partir desta terça-feira contribuições para a Consulta Pública 65, que propõe um novo sistema de fiscalização para os planos de saúde. O objetivo alegado é tornar as atividades mais eficientes, mas alterações propostas, por exemplo, na aplicação das penalidades não parecem beneficiar o consumidor.

A nova norma contempla ações e medidas para induzir à efetiva mudança de comportamento das operadoras em favor dos beneficiários de planos de saúde”, explica Simone Sanches Freire, diretora de Fiscalização da ANS.Quyem quiser participar: www.ans.gov.br/participacao-da-sociedade/consultas-e-participacoes-publicas/consulta-publica-65-nova-fiscalizacao-e-codigo-de-infracoes-no-ambito-da-saude-suplementar-ciss

 

Primeiro emprego

O LinkedIn, adquirido pela Microsoft em 2016, apresentou um crescimento na preferência de quem procura uma colocação no mercado de trabalho, segundo uma pesquisa realizada pela Companhia de Estágios. A plataforma vem se consolidando e já ultrapassou o Facebook, que ocupava o primeiro posto no ano passado.

 

Rápidas

A FGV Direito Rio organiza o V Colóquio Brasileiro de Direito Administrativo da Regulação, que discutirá “Regulação e Inovações no Sistema Financeiro” *** O projeto Domingo de Brincadeira do Caxias Shopping (RJ) apresenta dia 20 o espetáculo Era uma vez, outra vez… *** Daniela Bogoricin (@danibogoricin) é a nova diretora de estratégias de marcas do Twitter Brasil.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Energia renovável tem custo abaixo de combustível fóssil mais barato

Energia solar para instalação comercial ficou 55% mais barata entre 2017 e 2020 no Brasil.

Renda mensal per capita para acesso ao BPC reduziu para 1/4 do mínimo

Também foi regulamentado o auxílio-inclusão.

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

STF confirma decisão que considera Moro parcial no caso do triplex

Marco Aurélio e Luiz Fux votaram contra parcialidade do ex-juiz.

Salles pede para sair

Alvo de investigações, ministro do Meio Ambiente teve exoneração publicada em edição extra do D.O.U.