Inflação fica em 0,83% em maio, maior alta para o mês em 25 anos

IPCA acumula taxas de 3,22% no ano e 8,06% em 12 meses; energia elétrica foi o item que mais puxou.

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 0,83% em maio deste ano. A taxa é superior ao 0,31% de abril e a maior para um mês de maio desde 1996 (1,22%), segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O IPCA acumula taxas de 3,22% no ano e 8,06% em 12 meses.

Os nove grupos de produtos e serviços pesquisados apresentaram inflação em maio, com destaque para habitação (1,78%) e transportes (1,15%). Os itens que mais influenciaram esses grupos foram energia elétrica (5,37%), que passou para a bandeira tarifária vermelha patamar 1 no mês, e gasolina (2,87%).

Outros grupos com taxa de inflação importantes foram saúde e cuidados pessoais (0,76%), alimentação e bebidas (0,44%) e artigos de residência (1,25%).

Os demais grupos variaram entre 0,06% (educação) e 0,92% (vestuário).

Para Felipe Sichel, estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais, “o IPCA do mês é preocupante na medida em que o câmbio recuou 9,6% do início de abril até o final de maio, mesmo assim a inflação de bens industriais continua pressionada. Os repasses aos consumidores dos bens industriais parece que continuará acontecendo uma vez que o IPA-M de produtos industriais estava próximo de 40% no acumulado de 12 meses. A volta do auxílio emergencial em abril e a reabertura da economia também podem pressionar a inflação de serviços. Estamos revisando nossa trajetória de Selic para os próximos meses e essa será divulgada no nosso pré-Copom ao longo da semana.”

Já segundo o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, diz que “esperava avanço de 0,72% e o mais pessimista dos agentes estava em 0,77%. Com isso, o IPCA em 12 meses rompe a barreira 8%.”

“Nossa surpresa foi extremamente concentrada em combustíveis, sendo 5bps em gasolina e 4bps em etanol. Vale pontuar também a surpresa altista com alimentação fora do domicílio +3bps. Esse último acabou afetando sobre maneira os núcleos, concentrando basicamente toda a surpresa altista entre os 0,55% observados e os 0,41% projetados”, explica.

Para o economista, as surpresas, ainda que concentradas, estão sendo sistemáticas e ensejam por uma revisão na perspectiva do IPCA deste ano, que apenas com os 11bps de headline, subiu para 5,1%. Sanchez avalia que a dinâmica ascendente dos preços e o aquecimento da atividade deverão majorar ainda mais a perspectiva para a inflação em 2021. Muito a corretora divulgará os dados e um texto versando melhor sobre a alteração de cenário.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Dieese: salário mínimo deveria ser R$ 5.351,11

Artigos Relacionados

ONS já prevê possibilidade de importar energia

O cenário energético do país permanecerá “sensível”, com acionamento de usinas termelétricas, que encarecem a conta de luz. A avaliação é do Operador...

Elevação de custos de construção inviabiliza Casa Verde e Amarela

Preços dos materiais e equipamentos subiram 34% nos últimos 12 meses.

Yellen avisa Congresso que EUA podem ir a calote

Sem crédito adicional, dinheiro do Tesouro pode acabar em meados de setembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de...

BC amplia iniciativas de ESG para suporte ao crédito

As recentes iniciativas regulatórias do Banco Central do Brasil (BC) para intensificar as divulgações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (Environmental, Social...