Inflação nos EUA vem forte e dólar e ouro sobem

Índice de preços ao consumidor anualizado ficou em 5,4%.

O dólar se fortaleceu nesta terça-feira, após um relatório sobre avanço da inflação mais forte do que o esperado. O índice do dólar, que mede a moeda norte-americana contra seis principais pares, aumentou 0,54%, para 92,7538, segundo a agência de notícias Xinhua. No final das negociações de Nova York, o euro caiu para US$ 1,1782, e a libra esterlina caiu para US$ 1,3820.

O Departamento do Trabalho dos EUA informou que o índice de preços ao consumidor (IPC) aumentou 0,9% em junho, acima do 0,5% previsto pelos economistas. Foi o maior aumento desde 2008. A inflação anualizada ficou em 5,4%.

A cotação do ouro também subiu. Os contratos futuros na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York para entrega em agosto subiram 0,22%, para fechar em US$ 1.809,90 a onça.

A prata para entrega em setembro caiu 0,38%, para US$ 26,14 a onça. A platina para entrega em outubro caiu 1,05%, para fechar em US$ 1.111,20 por onça.

Leia também:

AL: 80 milhões correm risco de cair abaixo da linha da pobreza

Artigos Relacionados

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bahrein investe em minério de ferro do Brasil

No primeiro semestre, país alavancou compra de minério; movimento foi impulsionado por avanço da vacinação e retomada da indústria local.

Imóveis residenciais: primeiro semestre de 2020 foi de recuperação

IGMI-R/Abecip registra quinto mês consecutivo de aceleração nos preços.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.