Inflação pelo IPC-S sobe 0,44% na terceira quadrissemana de janeiro

Maior contribuição partiu do grupo educação, leitura e recreação; nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento de cursos formais.

O IPC-S da terceira quadrissemana de janeiro de 2022 subiu 0,44% e acumula alta de 9,53% nos últimos 12 meses. Nesta apuração, cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição para o resultado do IPC-S partiu do grupo educação, leitura e recreação cuja taxa de variação passou de 0,50%, na segunda quadrissemana de janeiro de 2022 para 1,03% na terceira quadrissemana de janeiro de 2022. Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item cursos formais, cujo preço variou 4,68%, ante 3,25% na edição anterior do IPC-S.

Também registraram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: transportes (-0,18% para -0,08%), alimentação (1,12% para 1,22%), comunicação (0,09% para 0,14%) e despesas diversas (0,14% para 0,15%). Nestas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens: etanol (-3,60% para -2,90%), hortaliças e legumes (1,58% para 5,74%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,20% para 0,42%) e cigarros (0,73% para 0,99%).

Em contrapartida, os grupos habitação (0,57% para 0,26%), vestuário (1,24% para 0,99%) e saúde e cuidados pessoais (0,10% para 0,06%) apresentaram recuo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar os itens: tarifa de eletricidade residencial (0,93% para -0,97%), roupas masculinas (1,68% para 1,09%) e plano e seguro de saúde (-0,18% para -0,33%).

Considerado um mês com alta no preço de alguns alimentos devido ao elevado consumo ocasionado pelas festas de fim de ano, dezembro apresentou inflação de 1,03% no Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela Associação Paulista de Supermercados (Apas) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). No período de janeiro a dezembro, o IPS registrado foi de 10,21%.

O aspecto positivo é a redução de itens que integravam uma cesta de produtos inflacionados ao longo do ano, como as carnes. No caso dos derivados das carnes, ocorreu uma redução de 1,03% no mês, já que a cadeia produtiva não foi afetada pela demanda das compras das ceias natalinas e de Réveillon. Itens como peito de peru, presunto, toucinho defumado, empanados de frango e pertences de feijoada contribuíram para a deflação do índice geral dessa categoria.

Dentre os hortifrutigranjeiros (produtos in natura), os tubérculos tiveram redução de 2,01% e de 9,07% no acumulado do ano, puxada principalmente pela batata, que deflacionou 19,62% no mês e 29,43% no ano. A queda no preço foi provocada pela elevação da oferta, mesmo com regiões produtoras afetadas pelas geadas ocorridas em maio.

O IPS geral dos hortifrutigranjeiros registrou aumento de 3,16% no mês e de 4,95% de janeiro a dezembro. A intensa procura por frutas para as festividades de fim de ano ocasionou uma inflação de 7,22% e de 3,99% no acumulado do ano nessa categoria de produtos.

As carnes, que vinham em desaceleração nos 3 meses anteriores a dezembro, sofreram os impactos da demanda sazonal das festas de fim de ano e apresentaram inflação de 1,04% no mês e de 13,85% no ano.

No entanto, as projeções apontam para estabilidade no preço dos cortes bovinos em virtude do equilíbrio do custo de produção decorrente da acomodação dos valores das commodities internacionais e do recorde histórico de 221 milhões de cabeças alcançado pelo setor em 2021.

A cesta dos industrializados registrou inflação de 1,25% em dezembro e de 14,36 % em 2021, influenciada principalmente pelos produtos derivados do leite, panificados e café. Os itens panificados pesaram no alto índice da categoria, uma vez que parte do trigo utilizado na produção é importado. Essa elevação no custo produtivo por conta dos efeitos cambiais causou uma alta de 0,25% em dezembro e de 10,68% no acumulado do ano.

Bebidas não alcoólicas apresentaram inflação de 0,67% no mês e de 7,52% no acumulado do ano. Um dos principais itens da cesta que contribuiu para a elevação foi o refrigerante, que subiu 0,62% no mês passado. O preço das bebidas alcoólicas também sofreu inflação de 0,73%, influenciado pela alta da cerveja, com aumento de 1,01% em dezembro. No ano passado, as bebidas alcoólicas acumularam alta de 3,20%. A expectativa para 2022 é de elevação para todos os produtos que dependem da cana de açúcar ou da importação de outras matérias-primas. A cana de açúcar sofreu uma redução de 13,2% na safra 2021/2022.

A alta dos artigos de higiene e beleza foi de 1,41% em dezembro e de 10,10% no acumulado do ano. Os principais efeitos vieram do sabonete e do creme dental, que subiram 1,38% e 2,99%, respectivamente. Os produtos de limpeza alcançaram inflação de 1,18% no mês e de 12,57% no ano, com destaque para o sabão em pó, o item com a taxa mais elevada no mês: 1,59%.

Leia também:

Inflação medida pelo IGP-10 sobe 1,79% em janeiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.