Inflação rumo aos 2 dígitos?

Maior alta em 25 anos assusta investidores.

A alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) –que mede a inflação oficial do país –chegou a 0,83% em maio, divulgou nesta quarta-feira o IBGE. O aumento foi de 0,52 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de abril (0,31%).

“Foi o maior resultado para um mês de maio desde 1996 (1,22%). O acumulado no ano foi de 3,22%, e o dos últimos 12 meses, de 8,06%, acima dos 6,76% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em maio de 2020, a taxa havia sido -0,38%”, destacou o IBGE.

Rossano Oltramari, sócio e estrategista da 051 Capital, gestora especializada em alocação de recursos e planejamento patrimonial com R$ 2 bilhões sob custódia, disse à reportagem do Monitor Mercantil que a subida do índice marcou negativamente o dia dos investidores que acreditavam numa alta de no máximo 0,70%. “O Ibovespa (principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3) fechou em leve alta, 0,20%, e se manteve nos 130 mil pontos, mesmo com a notícia negativa da manhã (da inflação)”, frisou.

Oltramari destacou que as principais altas na B3 foram das empresas de commodities, com destaque para a Vale (que subia 2,5%), o setor siderúrgico, que subia 2,5% a 3%, e o setor exportador, principalmente papel e celulose em função da alta do dólar. “Por outro lado, setores de shopping, de varejo e energia elétrica registraram queda”, disse.

“O IPCA tem assustado bastante os investidores e colabora para uma política monetária mais restritiva. Ou seja, de aumento das taxas de juros”, disse o especialista. Segundo ele, a inflação de maio foi muito impactada pelo preço de alimentos, combustíveis e energia elétrica. “A expectativa é que o BC seja um pouco mais duro em seus comunicados e em sua política monetária”, assinalou.

Os nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE apresentaram alta em maio. O maior impacto (0,28 p.p.) e a maior variação (1,78%) vieram da Habitação, que acelerou em relação a abril (0,22%). A segunda maior contribuição (0,24 p.p.) veio dos Transportes, cujos preços subiram 1,15% em maio, após recuarem 0,08% em abril.

Leia também:

Inflação fica em 0,83% em maio, maior alta para o mês em 25 anos

Artigos Relacionados

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.

Comércio digital cresce e qualidade do emprego cai

Postos de trabalho precários são os mais criados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

CVM lança novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento

A partir de 5 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá disponibilizar o novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento (SGF)....

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

BID lança guia para ajudar na emissão de títulos sustentáveis

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou um guia para auxiliar e fomentar a emissão de títulos temáticos. O lançamento acontece por meio do...

Vivant lança lata comemorativa ao Dia Internacional do Orgulho LGBT

A lata estampa as cores do arco-íris e traduz o posicionamento da empresa sobre o respeito à diversidade.