27.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Inflando o PAM

Consumidores de notícias que queiram formar opinião própria sobre a sustância das manifestações no Brasil contra o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, devem recorrer ao exame de fotos e/ou imagens. Se em plano geral ou abertas, indicam manifestações massivas; se em close ou muito fechadas, revelam que a edição tentou inflar o reduzido número de manifestantes. Até agora, nas primeiras páginas dos jornais e nas imagens das TVs tupiniquins, predominam fotos e imagens fechadas. Deve ser o Programa de Crescimento de Manifestantes (PAM).

Apagão x apaguinho
Marqueteiros da pré-campanha de Dilma Housseff à presidência da República precisam dedicar atenção especial para explicar aos cariocas a diferença entre apagão e apaguinho. O primeiro é do tipo daquele provocado pela ação solerte do Raio de Itaberá, mas que, depois de o sistema ser restabelecido, a energia volta a funcionar normalmente. Já o segundo, embora de efeito mais localizado, é mais intermitente, e tem o DNA do padrão Light de serviço. Mais do que o didatismo, porém, se a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) passar a exercer o poder fiscalizador sobre a concessionária fluminense, a ajuda será bem mais efetiva.

Efeito FH
A informação da pesquisa CNC/Sensus de que pelo menos  49% dos brasileiros não votam nem amarrados em qualquer candidato apoiado pelo ex-presidente FH deve mobilizar o Comitê Paris do governador José Serra. A principal contribuição do comitê seria exilar FH na capital francesa durante todo o período eleitoral. Coincidência ou não, as últimas diatribes do impopular ex-presidente tucano contra o governo Lula foram seguidas pela queda de Serra nas pesquisas de intenção de votos e a ascensão de Dilma. Nada como Paris para afogar os ressentimentos do tucano com o eleitorado e aplacar a coceira para obter alguma relevância no debate sobre os rumos do Brasil.

PMDB na corrida?
Reunido em Curitiba, no Paraná, no fim de semana, presidentes de 15 diretórios regionais do PMDB lançaram a pré-candidatura do governador do Paraná, Roberto Requião, à presidência da República em 2010: “Nos anos de chumbo da ditadura militar, o PMDB esteve nas ruas lutando fundamentalmente para a derrota daquele regime opressor. Hoje, somos o maior partido do Brasil e é bom que todos saibam, temos uma pré-candidatura à presidência da República, sim. E essa pré-candidatura é a do governador do Paraná, Roberto Requião”, afirmou o presidente estadual do PMDB-PR e líder do partido na Assembléia Legislativa, deputado Waldyr.

Não ao meirellismo
Pugliesi acrescentou que os peemedebistas que participaram do encontro não aceitam o pré-acordo firmado há cerca de um mês por uma ala do partido em jantar com lideranças do PT, para apoiar a ministra da Casa Civil, Dilma Housseff, e “não estão satisfeitos” com os rumos tomados pela direção nacional do partido: “Não se pode tomar uma decisão desta maneira. O PMDB não pode ir, por vontade de alguns, de acessório para o projeto político de outro partido”, frisou, acrescentando que um dos pontos mais criticados pelos peemedebistas é a política econômica do governo Lula: “O Banco Central adota uma política que só privilegia o capital vadio, usado para a especulação financeira.”

Pulmões limpos
Está nas mãos da fiscalização do governador Sérgio Cabral (PMDB) o direito de os moradores do Estado de Janeiro, a exemplo do que já acontece no Estado de São Paulo, exercerem o direito de não inspirarem compulsoriamente a fumaça do cigarro alheio. Sem campanhas educativas e fiscalização, a lei corre o risco de virar fumaça.

Pedala, PM!
Alô, PM carioca! Bandidos estão quebrando as trancas de bicicletas que utilizam o bicicletário do Leme, na altura da Avenida Princesa Isabel. Em frente à instalação fica uma patrulha da PM. Pelo visto, os ladrões não consideram isso um empecilho ao exercício do seu ofício. Segundo funcionários de um trailer perto do local, os furtos são comuns. Quarta-feira passada à tarde, um adolescente que estreava o presente antecipado de Natal teve a bicicleta furtada do lugar.

Artigo anteriorValorização suspeita
Próximo artigoEspeto de pau
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.