Informalidade é uma das causas de baixas vendas do comércio do Centro

Segundo Aldo Gonçalves, além disso, violência, moradores de rua e pandemia afastaram clientes do bairro.

O comércio do Centro do Rio registrou mais um desempenho ruim em 2020, segundo dados do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio). Os números mostram que nos nove meses do ano em que as lojas ficaram abertas (o comércio ficou fechado da segunda semana de março até a primeira semana de junho por conta da pandemia) registraram vendas negativas: menos 6,9% nos produtos do ramo mole (bens não duráveis) e menos 9,2% no ramo duro (bens duráveis). Se forem computados o desempenho zero dos três meses em que as lojas ficaram fechadas por conta da pandemia do coronavírus esses números sobem para menos 31,9% no ramo mole e menos 30,2% no ramo duro. O ano passado, também com desempenho negativo, os números foram de menos 5% no ramo mole e menos 6,1% no ramo duro.

De acordo com os lojistas, além da pandemia e do desemprego, as principais causas desse desempenho negativo foram a violência, o grande número de camelôs, o aumento brutal de moradores de rua e a sujeira afastaram o consumidor do centro da cidade que se tornou um verdadeiro deserto, influenciando decididamente no desempenho das vendas, além do fechamento de centenas de estabelecimentos comerciais.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (SindilojasRio), as entidades tem feito diversas gestões junto às autoridades no sentido de coibir a violência, os camelôs e os moradores de rua, que tomam conta do Centro, afastando o consumidor das compras e prejudicando o comércio.

“Isso poderia, mesmo com a pandemia, amenizar o prejuízo dos lojistas do Centro”, diz Aldo.

Leia mais:

Diminui o percentual de famílias endividadas na cidade do Rio

Inadimplência de famílias diminui, mas proporção de endividados é alta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Crise leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas

Inflação derruba poder de compra, mas é favorável a investimento; para Proteste, dificuldade em pagar contas também é consequência da crise.

Reino Unido ameaça suspender gás para Europa

Britânicos não terão condições de manter suprimento no inverno.

Últimas Notícias

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.

Ipea prevê crescimento de 1,8% para o PIB em 2022

Setores de agropecuária e industrial devem mostrar relativa estabilidade; ´para 2023, a estimativa é de variação positiva de 1,3%.