Informalidade e violência foram as causas da baixa no varejo do Centro

Para CDL, alto número de moradores de rua, sujeira e falta de estacionamento afastaram o consumidor da região.

O comércio do Centro do Rio registrou mais um desempenho ruim no primeiro trimestre, segundo dados do Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio). Os números mostram que, no acumulado, os três meses (janeiro/fevereiro/março) registraram vendas negativas: menos 6,2% nos produtos do ramo mole (bens não duráveis) e menos 6,9% no ramo duro (bens duráveis), repetindo o desempenho negativo do mesmo período de 2018 (-4,6 no ramo mole e -4,1% no ramo duro).

De acordo com os lojistas, além da difícil situação econômica do Estado do Rio e do desemprego, as principais causas desse desempenho negativo foram a violência, o grande número de camelôs, os moradores de rua, a sujeira e a falta de estacionamento que afastaram o consumidor do Centro.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do SindilojasRio, as entidades têm feito diversas gestões junto às autoridades no sentido de coibir a violência, os camelôs e os moradores de rua, que tomam conta do Centro, afastando o consumidor das compras e prejudicando o comércio.

– Isso poderia amenizar e até evitar o prejuízo dos lojistas do Centro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais um residencial na zona portuária

Empreendimento imobiliário vai gerar até R$ 600 milhões em negócios.

Comércio do Rio espera aumento de 3% nas vendas do Dia dos Pais

Aldo: maioria dos clientes deverá parcelar o pagamento, usando cartão de crédito ou cartão e carnê de crediário próprios das lojas.

Alerj protesta contra fim de voos para Norte Fluminense

Ceciliano lamenta decisão da Azul e cobra atuação da Agência de Aviação.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.