Início da vacinação no Brasil deixará mercados atentos

Em meio ao avanço da Covid-19 e os problemas logísticos para a aplicação das vacinas, os investidores ficaram cautelosos. Adicionalmente, a possibilidade de o pacote de estímulo americano ser aplicado de forma gradual na economia contribuiu para as quedas.
Na Europa, a Pfizer informou que poderia não conseguir entregar todos os medicamentos ao continente, ao passo que as medidas de distanciamento social se tornam mais fortes, fazendo com que os principais índices tivessem desempenho negativo. Londres teve queda de 0,97%. Frankfurt perdeu 1,44%. Paris recuou 1,22%. Milão e Madri caíram 1,13% e 1,69%, respectivamente.
Nos EUA, apesar do anúncio do pacote de estímulos à economia de US$ 1,9 trilhão, muitos analistas do país consideram que a medida pode ter dificuldade de ser aprovada integralmente, aplicado de forma gradual. Dessa forma, existe a possibilidade de o pacote ter diminuição no processo enquanto os agentes monitoram o avanço da Covid-19.
O Dow Jones teve queda de 0,57%. O S&P 500 e o Nasdaq caíram 0,72% e 0,87%, respectivamente.
No Brasil, como o risco global estava elevado, o país foi considerado um dos destinos com maior risco. Os problemas inerentes à situação crítica de Manaus fazem com que muitos temam o que outras regiões do país poderão enfrentar. Como até então não havia uma previsão clara do momento em que a população brasileira seria vacinada, o principal índice da B3 passou por forte realização.
O Ibovespa teve perda de 2,54%, cotado a 120.348,72 pontos.
Na Ásia, as Bolsas fecharam sem sinal único, com destaque para os índices chineses, devido aos números positivos da economia do país. Todavia, há alerta para a economia chinesa crescer menos, tendo em vista que o PIB do quarto trimestre alcançou 2,6%, contra a expectativa de 3,2%.
Xangai, teve alta de 0,84% e Shenzhen, ganhou 1,48%. Fora da China continental, Hong Kong, teve ganho de 1,01% e Taiwan teve baixa 0,03%.
Tóquio e Seul tiveram queda de 0,97% e 2,33% respectivamente.
Para hoje, com os EUA em feriado, os mercados europeus operam mistos, com temores referentes ao avanço da Covid-19 e os lockdowns (confinamentos) nos países do continente, além da preocupação da Noruega com a segurança da Pfizer. No Oriente, os dados positivos da China fizeram com que os preços do minério de ferro tivessem avanço de 0,22%.
No Brasil, os agentes monitorarão as perspectivas em relação à aprovação das vacinas contra a Covid-19. Além disso, existe a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro não barrar mais a chinesa Huawei do leilão do 5G. Quanto ao lado fiscal, os candidatos à presidência da Câmara dos Deputados Baleia Rossi (MDB-SP) e Arthur Lira (PP-AL) sinalizam que apoiam a ajuda emergencial, apesar de ponderarem o lado fiscal.
Na Europa, o discurso de Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), no Eurogrupo evidencia a preocupação dos formuladores de política econômica da região, que se mostram preocupados com a evolução do quadro atual e as novas variantes da Covid-19 e como isto pode afetar negativamente a economia da região.
No Brasil, como ocorre toda segunda-feira, será divulgado o relatório Focus, evidenciando as expectativas dos agentes econômicos de 2020 a 2024 quanto a importantes números de conjuntura econômica.
Além disso, a autoridade monetária publicará o IBC-Br, um dos principais números referentes ao nível de atividade econômica do país. A expectativa dos agentes é de que o indicador tenha aceleração menor do que a registrada no período imediatamente anterior, saindo de 0,86% para 0,50%. Apesar do avanço no setor de serviços, o comércio acabou decepcionando.
Embora a expectativa seja positiva, os efeitos da persistência do crescimento da Covid-19 no país ainda podem deteriorar o cenário.

Nova Futura Investimentos

Leia mais:

Feriado nos EUA traz redução na liquidez dos mercados globais

Egito, Jordânia e Iêmen importam mais frango brasileiro

Artigos Relacionados

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.