Intenção de consumo das famílias fica estável em outubro

Segundo CNC, ante outubro de 2020, foi registrada alta de 6,6%, a quarta taxa positiva neste tipo de comparação.

A intenção de consumo das famílias ficou estável na passagem de setembro para outubro deste ano, segundo pesquisa divulgada hoje pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Com o resultado, o indicador interrompeu uma sequência de quatro altas mensais.

Em relação a outubro do ano passado, no entanto, foi registrada uma alta de 6,6%, a quarta taxa positiva neste tipo de comparação.

Na passagem de setembro para outubro deste ano, apenas dois dos sete componentes do indicador tiveram alta: as avaliações sobre emprego atual (1,7%) e sobre perspectiva profissional (1,3%). A análise sobre renda atual manteve-se estável nos dois meses.

Por outro lado, quatro componentes tiveram queda de setembro para outubro: acesso ao crédito (-0,7%), nível de consumo atual (-0,4%), perspectiva de consumo (-1,8%) e momento para a compra de bens duráveis (-1%).

Já na comparação com outubro do ano passado, tiveram crescimento os componentes de emprego atual (6,4%), perspectiva profissional (6,9%), renda atual (4,3%), nível de consumo atual (12,1%) e perspectiva de consumo (19,6%). Dois componentes tiveram queda: momento para duráveis (-0,9%) e acesso ao crédito (-1%).

Estudo da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) apontou que o saldo total da carteira de crédito deve crescer 1,6% em setembro, registrando o oitavo avanço mensal seguido. O destaque deverá vir da carteira destinada às famílias, que deve avançar 1,8% no mês, beneficiada pela retomada das atividades econômicas e pela recuperação do mercado de trabalho, que estimulam, em especial, as linhas de consumo e de crédito pessoal. Com o novo avanço, o ritmo de expansão anual da carteira Pessoa Física deve seguir acelerando, de 18,8% para 19,1%, o maior desde novembro de 2011 (+19,8%).

As estimativas são da Pesquisa Especial de Crédito da Febraban, divulgada mensalmente como uma prévia da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central. As projeções são feitas com base em dados consolidados dos principais bancos do país, que representam de 39% a 89% do saldo total do Sistema Financeiro Nacional, dependendo da linha de crédito, além de outras variáveis macroeconômicas que impactam o mercado de crédito.

Apesar do bom resultado esperado para o mês, a elevada base de comparação deve fazer com que o ritmo de expansão anual da carteira total de crédito mostre nova desaceleração, de 15,9% para 15,3%.

Segundo a pesquisa, o bom desempenho do crédito às famílias deve ser visto nos dois segmentos. A carteira livre deve avançar 1,9%, enquanto a carteira com recursos direcionados deve mostrar alta de 1,6%, novamente impulsionada pela elevada demanda pelos créditos imobiliário e rural.

Já a carteira de Pessoa Jurídica deverá avançar 1,3% em setembro, puxada pela carteira livre (+1,6%).  A carteira direcionada, por sua vez, deverá mostrar uma expansão mais contida, de 0,9%, acrescenta.

No geral, apesar de estimativa de avanço no mês, a carteira Pessoa Jurídica deve seguir perdendo força, com o ritmo de expansão anual recuando de 12,2% para 10,6%, reflexo do término dos programas emergenciais e a retomada das captações das grandes empresas no mercado de capitais.

A Pesquisa Especial de Crédito mostra que as concessões de crédito devem ficar praticamente estáveis em setembro, com um pequeno avanço de 0,3%. No entanto, se o resultado for ajustado por dias úteis, o crescimento vai para 5%. Na série sem ajustes, a alta do mês deve ficar concentrada nas concessões destinadas às empresas, com estimativa de crescimento de 3,4%. O resultado deve ser puxado pelas operações com recursos livres, impulsionadas pela retomada da atividade e pela sazonalidade favorável das linhas de fluxo de caixa. Já as operações com recursos direcionados devem seguir acomodando com o término dos programas emergenciais de crédito.

As operações destinadas às famílias, por sua vez, devem retrair 2,3%, embora mantendo-se em elevado patamar histórico.  A variação acumulada em 12 meses deve seguir ganhando tração, acelerando para 18,8%, o que reforça a liderança das operações pessoa física para o crescimento do crédito no ano.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Delivery de comida cresceu 66% em 2020 na América Latina

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões