Interditado

É provável que toda a região contida num semicírculo de 20 quilômetros de diâmetro, com Fukushima no centro, tenha de ser totalmente interditada por muitas décadas, como acontece em Chernobyl. Só aí são uns 160 quilômetros quadrados que se perdem para a agricultura e a pecuária. “Dá para imaginar o prejuízo que isso causará para um país insular de área pouco maior do que o Estado de São Paulo (da qual apenas 30% são cultiváveis) e com 125 milhões de habitantes?”, indaga o consultor Joaquim de Carvalho.

Camisa de força
A decisão do Banco Central (BC) de elevar a taxa básica de juros (Selic) em “apenas” 0,25 ponto na última reunião do seu politburo foi apontada por segmentos e personalidades que se identificam ou gostam de ser identificados como desenvolvimentistas como uma reafirmação da mudança de atuação do BC. Se essa alteração de rumo, de fato, ocorre, implica, primeiramente, a admissão de que, durante os oito anos de governo “progressista” de Lula, o Brasil foi pautado pela política antidesenvolvimento do BC, fator que deixou o país na rabeira dos mais variados rankings de crescimento.
No entanto, se é verdade que, diferentemente da administração de Henrique Meirelles, a política do presidente Alexandre Tombini e seus comandados soa insuficiente à voracidade dos rentistas, está longe de representar uma ruptura do modelo meirellista. Isso ocorre por que o BC e os que apóiam sua estratégia advogam que, paralelamente ao aumento da Selic, se adotem medidas de aperto fiscal e restrição ao crédito. Apesar de estas últimas terem o mérito de desestimular a formação de bolhas de consumo, na prática, contribuem para constranger o crescimento da economia.
Para representarem uma mudança de paradigma com a política econômica do governo anterior, é indispensável que, em lugar de estimularem a inclusão das maiorias no consumo, basicamente, pelo aumento do crédito, teriam de fazê-lo pela distribuição de renda. Nesse sentido, o aumento real de 53% experimentado pelo salário mínimo nos oitos anos de Lula ajuda nesse movimento. Mas não desconcentra a renda, por implicar mais uma distribuição interassalariados. Como as estatísticas do IBGE, nas quais se baseiam os estudos defensores da tese da melhora da distribuição de renda, não captam o ganho financeiro – aluguel, ações e juros – esse recorte é extremamente restrito.
Enquanto a ação do BC, sancionada pela presidente Dilma, continuar limitada a detectar a melhor maneira de desacelerar o crescimento do Brasil, em lugar de aproveitar as condições internacionais para aprofundar o avanço econômico, com distribuição de renda, não há que falar em mudança de modelo. No lugar de ousadia, o que se tem é, no máximo, mitigação da camisa de força ao crescimento.

Invasão alemã
A Câmara Brasil-Alemanha do Rio realiza na próxima segunda-feira, na Firjan, uma rodada de negócios entre empresários fluminenses e alemães do Estado de Nordrhein-Westfalen da Alemanha, chefiada por Karl-Uwe, do Ministério da Economia. Na pauta, os mega eventos esportivos, oportunidades e possibilidades econômicas e sociais oferecidas pelo Estado do Rio, além de transferência e parceria de know-how nas áreas de segurança e infra-estrutura.

Turismo na serra
Com objetivo de recuperar o turismo na Região Serrana, afetado pela catástrofe de janeiro, a Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro realiza nesta quinta-feira, um encontro de negócios entre empresários e representantes de agências de turismo e operadores de viagem da região. Cerca de 150 pessoas já confirmaram presença no evento, que começa às 17h, no Palácio Itamaraty, Centro do Rio de Janeiro.

Miragem?
O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), fará palestra sobre reforma política para lideranças empresariais, na Associação Comercial de São Paulo, nesta sexta-feira, às 10 horas, no Hotel Renaissance.

Violência
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgou nota repudiando “o assassinato do jornalista Valério Nascimento, ocorrido no último dia 3, no quintal de sua casa, em Rio Claro, região sul do Estado do Rio de Janeiro”. Nascimento, que era proprietário do jornal Panorama Geral e presidente da associação de moradores na região, vinha publicando notícias sobre problemas na cidade vizinha de Bananal.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrivatizar é…
Próximo artigoPinto alerta

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Conversa com Investidor: BrasilAgro (AGRO3)

Por Felipe Cavalcanti, analista da Trade Machine

Eleitores brasileiros no exterior

Por Bayard Boiteux

‘Vices’ assumem e dão show de competência

Por Sidney Domingues e Sérgio Braga.

PEC 05, verdadeiro ataque à independência do MP

Por Paulo Alonso.

Como começar um negócio alinhado com a pauta ESG

Por Jandaraci Araújo.