Interrupção de Suez terá reflexo em comércio com árabes

O fechamento por cerca de uma semana do Canal de Suez, no Egito, em função de um navio que encalhou, deve trazer reflexos para o comércio do Brasil com os países árabes. O canal é via para chegada de cargas do Brasil para países árabes como Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Catar, Bahrein, Kuwait, Omã e Iêmen.

Apesar de ocorrer em um período especial nos mercados árabes, o ramadã, há expectativa de que o impacto não vá muito além do atraso no desembarque de mercadorias. “No curto prazo, pode afetar as entregas de mercadorias para o ramadã, mas acredito que não seja preciso mais de três semanas para se normalizar”, diz o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Tamer Mansour.

O ramadã deste ano começa em 13 de abril e termina em 12 de maio. No período, os muçulmanos jejuam durante o dia, mas servem mesas fartas assim que o sol se põe. Os países árabes costumam deixar os estoques de alimentos bem abastecidos para a época e o Brasil é importante fornecedor de produtos do segmento.

O Suez não é via de passagem de cargas brasileiras para todos os países árabes, já que a maioria das nações árabes da África fica antes do canal. Mercadorias que vão ao próprio Egito são descarregadas em localização anterior. “Os navios vindos do Brasil para o Egito atravessam o Mar Mediterrâneo e atracam antes do Canal de Suez, utilizando principalmente os portos de Alexandria e Port Said”, explica o adido agrícola do Brasil no Egito, Cesar Simas Teles.

Mas Teles sabe que a situação é diferente para os embarques do Brasil a outros países árabes. “O fechamento do canal pode impactar o comércio brasileiro com outros países árabes pois a travessia do Canal de Suez é a rota mais curta entre o Brasil e vários parceiros comerciais árabes. Sem o canal, os navios gastariam até duas semanas a mais para completar o mesmo percurso” afirmou ele à ANBA.

O gerente de projetos e desenvolvimento de negócios da empresa de agenciamento marítimo portuário Unimar, Pedro Oliveira, relata que as cargas brasileiras a granel que vão aos países árabes do Golfo em geral não passam pelo Canal de Suez, mas trafegam pelo Cabo da Boa Esperança, sul do continente africano, diretamente aos portos de destino e por isso não foram afetadas pelo fechamento do Suez. Já os navios que levam contêineres do Brasil a essa região sofrem transbordos em portos do Mediterrâneo e Norte da Europa, que ficaram congestionados por causa do Suez.

As cargas são colocadas em outros navios pois não há fluxo de ida e volta de contêineres entre Brasil e países árabes que justifique linhas diretas. O Brasil exportou no ano passado 188 mil contêineres de 20 pés (TEUs) ao mercado árabe e trouxe de volta, na importação, 24 mil TEUs, segundo Oliveira.

Apesar os reflexos do fechamento temporário do Canal de Suez, o executivo da Unimar relata que os armadores não restringiram os embarques de contêineres do Brasil aos países árabes. “Os armadores estão buscando alternativas em serviços que passam pelo Sul da África, Cabo da Boa Esperança, e estão avisando seus clientes que algumas conexões podem atrasar pelo menos uma semana”, afirma.

Quando o Canal de Suez foi liberado, eram mais de 400 os navios que aguardavam para passar pela via. Pedro Oliveira acredita que os atrasos nas entregas, causados pelo fechamento do canal, podem afetar as licenças de importação em produtos mais sensíveis a prazos e que o cenário poderá também impactar os custos dos navios, com aumento nos preços do serviço, além da disponibilidade de contêineres.

Cesar Simas Teles vê reflexos na venda de carnes do Brasil.

“A venda de carnes para os países árabes pode ser impactada pelo atraso dos navios, pelo aumento do preço do frete e principalmente pela dificuldade em se obter contêineres refrigerados. Como a disponibilidade mundial de contêineres refrigerados já havia sido impactada pelos efeitos da pandemia de Covid-19, o fechamento do Canal de Suez pode agravar essa situação”, diz o adido agrícola.

Todos são unânimes em dizer que as principais mercadorias que o Brasil exporta para os países árabes têm prazo longo e por isso não deve ocorrer perda de produtos dentro dos navios. As carnes congeladas, se mantidas em refrigeração, têm validade superior a três meses. Pelo Canal de Suez passa cerca de 12% do comércio global, o que significa mais de 1 bilhão de toneladas em produtos ao ano, US$ 1 trilhão em valor. O canal é rota marítima mais curta entre a Europa e a Ásia.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Novo pacote de estímulos nos EUA

Mercado fica atento às mudanças ministeriais

Artigos Relacionados

Franceses pouparão 160 bi de euros com ajuda do governo

A ajuda financeira recebida do governo por causa da pandemia da Covid-19, possibilitará aos franceses uma poupança em torno de 160 bilhões de euros,...

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Raúl Castro passa para um civil a liderança do PCC

O primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba (PCC), general do Exército Raúl Castro, anunciou sua aposentadoria à frente dessa organização política, cujo VIII...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.