Intimidar para reinar

A sistemática política de intimidação e assassinatos de sindicalistas na Colômbia, noticiada na coluna sexta-feira passada,  encontra correspondência no processo de concentração de renda no país. Segundo o pesquisador José Luciano Vasquez, da Escola Nacional Sindical da Colômbia, em 2003, os 20% mais ricos da população detinham 62,7% do
rendimento/consumo do país, cabendo aos 20% mais pobres apenas 2,5%. Além disso, naquele ano, 17,8% dos colombianos viviam com menos de US$ 2 por dia. Esses dados não contabilizam todo o período da presidência de Álvaro Uribe (2002-2010).

A culpa é dos sindicatos
Apesar dessa situação de concentração de renda, segundo Vasquez, os sindicatos colombianos, que existem há cerca de 100 anos, são rejeitados por 63% da população e o 50% têm uma imagem negativa deles. O pesquisador atribui essa contradição entre a piora da situação dos trabalhadores e seu afastamento das entidades que poderiam defendê-los às sistemáticas campanhas contra os líderes sindicais, que, desde 1986, resultou em 11.096 atos de violência, incluindo ameaças, desaparecimento e mortes, dos quais apenas 118 casos tiveram sentença judicial.

Sem defesa, sem emprego
A combinação de concentração de renda e desmobilização social resulta no elevado desemprego, que vitima 20 milhões de trabalhadores, dos quais 12 milhões estão na economia informal, dois milhões, desempregados, além de um milhão de jovens, e dois terços não possuem Previdência Social.

Mais que seguro
Com a perda nos investimentos financeiros, o aumento das taxas de inflação e a mudança no cenário mundial, as seguradoras globais estudam a melhor forma de alocar os seus ativos. Nessa linha, buscam investimentos que as protejam contra a volatilidade de preços, mas que dêem bom retorno financeiro – até as aplicações em economias emergentes têm ganhado espaço como boas opções.
A resseguradora Swiss Re, por exemplo, acaba de divulgar o estudo Insurance investment in a challenging global environment (em http://media.swissre.com/documents/sigma5_2010_en.pdf).
No Brasil, nunca houve grande preocupação sobre aplicações das seguradoras. As taxas de juros elevadas levam as aplicações para títulos públicos, garantidos e com liquidez. O especialista Francisco Galiza, porém, acha que, no futuro, é provável que esse cenário mude e novas opções passem a ser discutidas.

Maior controle
A empresa de software Totvs venceu o edital da Dataprev, empresa de TI da Previdência Social, e está em fase de implantação de sistemas de contabilidade, custos, auditoria e outros na estatal. Os programas devem começar a operar em janeiro.

Responsável
Produtos socialmente responsáveis de alta qualidade, diferenciados e personalizados. Essa é a proposta da Jeitos & Formas, que sugere presentes como o envio de mensagens personalizadas, impressas em tecidos reciclados de garrafas pets, dentro de uma sacolinha que pode ser reutilizada como porta celular, acompanhado por uma boneca de pano artesanal e antialérgica. As bonecas são fabricadas por cooperativas de costureiras de comunidades carentes em Santa Cruz, Niterói e Cidade de Deus, todas no Estado do Rio de Janeiro. Mais informações em www.jeitoseformas.com.br.

Eldorado
Estão em andamento negociações para a concretização de uma grande joint-venture entre empresas do Canadá e do Brasil para a construção, aqui, de um grande estaleiro. A iniciativa visa a atender, principalmente, à demanda por embarcações da Transpetro e da Petrobras, na área do pré-sal.

Importando a crise
Com a situação na Europa sendo agravada pela tentativa dos burocratas da União Européia de imporem goela abaixo dos europeus políticas recessivas e o desmonte do Estado de bem-estar social, a presidente Dilma Housseff deve ficar particularmente atenta ao canto da sereia dos que defendem que dê partida ao seu governo com políticas de cortes de gastos públicos e elevação de juros, para agradar ao “mercado”. Corre o risco de importar a crise para o Brasil

Artigo anteriorJorrando juros
Próximo artigoLimpeza seletiva
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.