Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do ano, uma queda anual de 4,3%, de acordo com os dados oficiais. Em termos de dólares norte-americanos, o ODI no período aumentou 3,7% em termos anuais, para US$ 71,02 bilhões, informou o Ministério do Comércio.

No período de janeiro a agosto, o investimento direto não financeiro em países ao longo do Cinturão e Rota subiu anualmente 9,2%, para US$ 12,89 bilhões, respondendo por 18,1% do total de ODI não financeiro, mostraram os dados da pasta.

Os investimentos no exterior em vários campos continuam a crescer durante o mesmo período. O investimento no atacado e varejo aumentou anualmente 13,5% para US$ 11,42 bilhões, enquanto o investimento em serviços relacionados à transmissão de informações, software e tecnologia da informação saltou 33,2%, para US$ 5,4 bilhões. Segundo a pasta, o ODI não financeiro das empresas locais do país subiu 11,9% na base anual, representando 77,6% do total de ODI não financeiro no período.

Investimento estrangeiro

Já o investimento estrangeiro direto (IED) em uso real na parte continental da China aumentou 22,3% ano a ano de janeiro a agosto, para 758,05 bilhões de iuanes (US$ 113,78 bilhões), anunciou o Ministério do Comércio (MOC). O investimento estrangeiro na indústria de serviços chegou a 599,33 bilhões de iuanes durante o período, um aumento anual de 25,8%, com o investimento estrangeiro no setor de serviços de alta tecnologia crescendo 35,2%.

Os investimentos dos países do Cinturão e Rota aumentaram 37,6%, e os da Associação das Nações do Sudeste Asiático aumentaram 36,8%. O investimento estrangeiro usado pelas regiões leste, central e oeste da China aumentou 23%, 30,1% e 1,6%, respectivamente.

A porta-voz do MOC, Shu Jueting, disse que as empresas com investimento estrangeiro desempenharam um papel único e significativo no novo paradigma de desenvolvimento da China. Ao investirem no país, as empresas com capital estrangeiro trouxeram tecnologia avançada, experiência gerencial e uma rede de marketing global, acrescentou.

Segundo a agência Xinhua, o país prometeu impulsionar a abertura de alto nível, ampliar o acesso ao mercado, pressionar pela implementação antecipada da Parceria Econômica Regional Abrangente e participar ativamente da construção de regras de investimento internacional de alto padrão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Dívida de países pobres vai a US$ 860 bi e bate recorde em 2020

Estudo do Banco Mundial revela que alguns países chegaram a notar um aumento de 20% na dívida externa; em Angola e Moçambique, dívida aumentou...

Fome aumenta no mundo no Dia da Alimentação

No Dia Mundial da Alimentação, secretário-geral ressalta apelo à ação global para garantir segurança alimentar; mensagem sobre a data realça que cerca de 40%...

Pandemia acentua extrema pobreza no mundo

Das 27 capitais do Brasil, 18 tiveram aumento na taxa de extrema pobreza (quando a renda per capita é igual ou inferior a R$ 160 ao mês).

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...