Ipanema tem aluguel mais caro no Rio; em São Paulo, Itaim Bibi

Depois de quase dois anos, a taxa de imóveis vazios disponíveis para aluguel no Rio e à espera de um inquilino voltou ao patamar anterior à pandemia, atingindo 14,7%. Estudo feito pela APSA, que reúne análise de 16 grandes bairros, mostra que 14 deles continuam a se valorizar: em fevereiro, por exemplo, o Leme, foi o bairro cujo aluguel mais subiu. Com relação ao mês de janeiro, os anúncios de imóveis estavam com 8,86% maiores, chegando ao valor de R$ 43,86 o metro quadrado da locação. Ou seja, o aluguel mensal de um imóvel de 100 m² no Leme custa em média R$ 4.386. É uma tentativa de recuperação do ano anterior, em que o aluguel no bairro aumentou apenas 3,98%.

O segundo bairro foi o Maracanã. O aumento foi de 8,22% o metro quadrado, chegando a R$ 25,42. Um imóvel de 100 m² no bairro sai em média R$ 2.542, quase a metade do valor do Leme.

O terceiro bairro com maior aumento foi a Barra da Tijuca, 5,78% maior. Um imóvel de 100 m² no bairro sai em média R$ 5.348, valor abaixo apenas do Leblon e Ipanema, que custam, em média, respectivamente R$ 7.267 e R$ 7.403 por mês no aluguel. Ipanema, aliás, se valorizou em R$ 4,49%, enquanto o Leblon subiu 1,86% de um mês para o outro. No ano de 2021, o Leblon foi o bairro cujo aluguel mais se valorizou na Zona Sul – subiu 15,24 %.

Na Zona Norte, outro bairro com valorização foi o Méier, com 5,37%, atingindo o valor de R$ 19,22 por metro quadrado (R$ 1.922 o valor de um imóvel de 100 m²). Chama atenção também o crescimento do aluguel no Grajaú, de 3,23%. Hoje o metro quadrado está sendo anunciado em média por R$ 21,90. Na Zona Sul, os aluguéis em geral aumentaram. Copacabana teve 3,82% a mais, depois de subir apenas 2,38% nos 12 meses anteriores e chega a R$ 39,13 o m². No Flamengo, que havia subido 11,6% no ano, cresceu em 3,95% apenas em fevereiro e atinge R$ R$ 37,61/ m². Laranjeiras também alcançou o percentual de 3,64%, depois de crescer apenas 4,60% no ano todo anterior. Por lá, o metro quadrado está em R$ 35,28. Em Botafogo, que subiu 3,85% no ano todo, apenas em fevereiro cresceu 0,27%, com valores médios em R$ 41,27.

No último ano, a Barra da Tijuca teve aumento anual de 33,13% e o Recreio, de 13,47%. E mesmo assim continua crescendo. O Recreio subiu 1,25% em fevereiro e a Barra 5,78% e atingem respectivamente, R$ 53,48 e R$ 34,04.

No Centro do Rio de Janeiro, a queda nos aluguéis foi de 0,04%, depois de queda anual de 6,39% e o valor do aluguel está em R$ 26,66 o m².

Um dos indicadores utilizados pelas imobiliárias para definir os valores dos aluguéis é a oferta de imóveis para alugar nos bairros, a chamada vacância. A taxa ideal para manter preços é de 8% a 10%. Os bairros com menos imóveis vazios disponíveis para alugar no mês de fevereiro foram: Catete (2%), Recreio (2,5%), Flamengo (5,7%), Rio Comprido (6,7%), Botafogo (8%) e Ipanema (10,7%). Os bairros que continuam com a vacância acima da taxa ideal são: Vila Isabel (11,3%), Laranjeiras (13,8%), Tijuca (13,9%), Leblon (16,2%), Meier (16,2%), Centro (20,6%), Grajaú (21,1%), Maracanã (24,2%).

Já em São Paulo, o valor do aluguel acumulou alta de 3,5%, índice abaixo da inflação e muito abaixo do ajuste do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M). Os dados são do portal Imovelweb, é baseado nas buscas realizadas pelos usuários no site durante o mês de abril. O índice também apontou que o valor mensal do aluguel na capital paulista está R$ 3.374 para os apartamentos de 65 m² com dois quartos, subindo 1,6% em relação ao mês anterior.

Itaim Bibi é o bairro com maior preço médio de aluguel, custando R$ 4.891 por mês. Cidade Tiradentes ficou como o local mais econômico (R$ 962 mensais).

Segundo o relatório, o preço médio em São Paulo para as propriedades à venda fechou o mês de abril em R$ 9.690 por m², 0,1% acima do mês anterior. Em 2022, os valores acumularam uma alta de 1,3% – índice abaixo da inflação e do incremento da Bovespa. Já para as novas unidades, o aumento foi de 3,2% neste ano. A Zona Oeste é a região mais cara da cidade, custando R$ 11.641 por m². Já a Zona Leste é mais barata, com um preço de R$ 5.262. A Zona Sul registrou o maior incremento interanual (+5,1%).

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. O relatório de abril apontou um índice anual de 5,53% bruto anual, o que significa que são necessários 18,1 anos de aluguel para reembolsar o investimento de compra, 2,2% a menos que um ano atrás. As regiões periféricas são aquelas que oferecem o maior retorno para os investidores que buscam por aluguel: Sul e Leste – acima de 6% anual. Os bairros Jardim Helena e São Miguel apresentam-se como as melhores opções para os investidores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Pedidos de empréstimos recuam e cartão continua vilão

Segmento teve queda de 8,3% no mês de maio.

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico