IPC-S registra inflação de 0,54% em fevereiro

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou fevereiro deste ano em 0,54%. A taxa de inflação é o dobro da observada em janeiro (0,27%). De acordo com os dados divulgados hoje (1º) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o IPC-S acumula taxa de inflação de 5,42% em 12 meses.

Cinco das oito classes de despesa que compõem o IPC-S tiveram aumento da taxa na passagem de janeiro para fevereiro, com destaque para os transportes, cujo índice subiu de 1,53% para 2,29% no período. Um dos itens que mais contribuíram para esse resultado foi a gasolina, cuja taxa passou de 4,70% em janeiro para 6,90% em fevereiro.

Outros dois grupos tiveram aumento da taxa de inflação: saúde e cuidados pessoais (de 0,19% para 0,29%) e despesas diversas (de 0,23% para 0,24%). Dois grupos passaram de deflação (queda de preços) em janeiro para inflação em fevereiro: habitação (de -0,29% para 0,08%) e vestuário (de -0,39% para 0,03%).

Por outro lado, três grupos tiveram queda na taxa: educação, leitura e recreação (de 0,58% para 0,12%), alimentação (de 0,16% para 0,09%) e comunicação (de -0,02% para -0,07%).

O IPC-S é calculado com base em preços coletados semanalmente em sete capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Salvador.

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o preço médio da gasolina registrado na Região Sudeste na primeira quinzena de fevereiro é de R$ 5,047, após aumento de 4,32% em relação ao fechamento de janeiro. Em São Paulo, o combustível, comercializado a R$ 4,647, está abaixo da média nacional, de R$ 5,033. Nos demais estados, os valores são superiores, e no Rio de Janeiro foi encontrada a gasolina mais cara, por R$ 5,336.

Nos postos fluminenses também foi registrado o etanol mais caro da região, com o preço médio de R$ 4,247. Já Minas Gerais segue com os valores mais altos do diesel, de R$ 3,974, do diesel S-10, de R$ 4,062, e do gás natural veicular (GNV), de R$ 3,380.

O preço do GNV no Sudeste apresentou recuo de 0,28% nessas primeiras semanas de fevereiro. No Espírito Santo, a baixa foi de 0,24% e o litro médio foi comercializado a R$ 3,315. Em Minas Gerais, mesmo com o valor mais alto, o recuo foi de 0,82%. Já em São Paulo, o preço médio diminuiu 0,07% em relação ao fechamento de janeiro.

Em São Paulo, os preços dos combustíveis seguem menores na comparação com os demais estados da região. O diesel e o diesel S-10 foram comercializados a R$ 3,794 e R$ 3,859, respectivamente, e o GNV, por R$ 3,019.

“O preço médio do etanol registrado em São Paulo foi o menor do país na primeira quinzena de fevereiro. O combustível foi comercializado no estado a R$ 3,167 o litro e segue como mais vantajoso se considerada a relação de vantagem 70/30 com a gasolina. Em Minas Gerais, o etanol também compensa para os consumidores. Já no Espírito Santo e no Rio de Janeiro, a gasolina tem vantagem na comparação”, pontua Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia mais:

Falta de produtos em supermercados retoma o maior nível de 2020

Aplicativos mantêm total controle sobre trabalho de entregadores

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Rádios FM poderão antecipar aumento de potência e área de cobertura

Antes, emissoras só podiam solicitar mudança a cada dois anos e de forma gradual.

Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

Propostas da Consulta pública são os primeiros passos para colocar em prática o sistema de transferências instantâneas com o exterior.

Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril

Segundo o Procon-SP, a taxa média de empréstimo pessoal foi de 6,1% ao mês.

Mercados com poucas oscilações

PEC fura-teto preocupa.

Por preços de combustíveis, IPCA deve desacelerar

Por outro lado, os preços dos serviços devem continuar em patamares baixos, influenciados pelas medidas de restrição e pelas fracas condições do mercado de trabalho.