IPCA-15 mais manso deve favorecer apostas de baixa na curva de juros

55
Bolsa de Valores (Foto: divulgação)
Bolsa de Valores (Foto: divulgação)

A forte aversão a risco ontem, após forte reação ao balanço do First Republic, pesa sobre as bolsas globais, apesar de respiro em NY, após resultados acima de esperado de Alphabet e Microsoft. Juros sobem levemente, após quedas significativas, mas a ponta curta segue em baixa. Dólar cai de forma disseminada, dando fôlego para commodities, com minério de ferro recuperando forte. Por aqui, em dia de agenda recheada, o IPCA-15, que deve seguir mostrando desaceleração da inflação, deve pautar a dinâmica da sessão, após falas sem grandes novidades de Campos Neto na CAE do Senado. Apesar das perdas na Ásia e Europa, o respiro em NY e os avanços nas commodities devem levar à queda no dólar e alta no Ibovespa na abertura. Nos juros, o IPCA-15 mais manso deve favorecer apostas de baixa na curva de juros.

Ásia: apesar da queda na inflação australiana, as perdas em NY de ontem pesaram, com as bolsas fechando no negativo. Na Austrália, o CPI subiu 1,4% (exp 1,3%) no 1T23, acumulando 7% em 12 meses. O núcleo do CPI avançou 1,2% (exp 1,4%), alta de 6,6% ante 1T22.Na Coréia, a confiança do consumidor subiu de 92 para 95,1 pontos (exp 90,9) em abr/23. Hoje, lucros da indústria da China (mar/23) às 22h30.

Europa: apesar de resultados positivos (Danone, Roche e StanChart), a alta na aversão a risco em NY ontem pesa nas bolsas, com bancos e tecnologia liderando as perdas. Na Alemanha, a expectativa de confiança do consumidor da GfK subiu de -29,3 para -25,7 pontos (exp -27,5) em mai/23. Na França, a confiança do consumidor subiu de 82 para 83 pontos (exp 82) em abr/23. Na Suécia, o Riksbank subiu os juros em 0,50% (exp 0,50%), de 3% para 3,5%, máxima desde 2009. Glencore (Reino Unido), GSK (Reino Unido), Iberdrola (Espanha), Reckitt Benckiser (Reino Unido) e Safran (França) divulgam resultados.

EUA: os balanços acima das expectativas de Alphabet e Microsoft abrem espaço para uma recuperação das perdas de ontem na pré-abertura dos futuros. De acordo com o Case-Shiller, os preços de imóveis subiram 0,1% (exp -0,4%) em fev/23, acumulando 0,4% em 12 meses, mínima desde jul/12. Foram vendidos 683 mil novos imóveis (exp 632 mil) em mar/23, avanço de 9,6% (-2,9% a/a). O índice industrial do Fed Richmond caiu de -5 para -10 pontos (exp -8) em abr/23. Segundo o Conference Board, a confiança do consumidor caiu de 104 para 101,3 pontos (exp 104) em abr/23. Na agenda, balança comercial (mar/23) e pedidos de bens duráveis (mar/23) às 9h30 e estoques de petróleo do DoE (21/abr) às 11h. Boeing e Thermo Fisher divulgam resultados antes da abertura. Meta, após fechamento.

Espaço Publicitáriocnseg

Brasil: a indigestão com os bancos americanos, após resultado negativo do First Republic, e a derrocada no minério de ferro pesaram no mercado local, com o Ibovespa fechando em 103.220 pontos (-0,70%), com exportadoras de commodities liderando as perdas. A queda nos juros americanos, em meio à elevação na aversão a risco global, e o leilão do TN sem soluços beneficiaram a curva de DI futuro, com as taxas longas caindo entre 5 e 10 pontos. No câmbio, em dia de alta global da moeda americana, a maior cautela dos investidores, em meio à piora na percepção de risco dos bancos americanos, fez o dólar fechar em R$5,06 (0,46%).

Após forte expansão em janeiro, as vendas no varejo moderaram, em linha com o consenso, caindo 0,1% (1% a/a) em fev/23. As vendas ampliadas, que incluem material de construção e veículos, subiram 1,7% (exp 1%), caindo 0,2% ante fev/22. Com queda em várias linhas de impostos, a arrecadação federal em linha com o consenso (exp R$172,0 bi), somou R$171,1 bi (-0,4% a/a real) em mar/23, somando R$2,25 tri (22,7% do PIB) em 12 meses. Apesar do forte superávit comercial ($9,5 bi), as maiores remessas de dividendos, juros e lucros pesaram no desempenho da conta corrente, que teve superávit de $0,3 bi (exp $2,1 bi) em mar/23, acumulando déficit de $52,3 bi (-2,7% do PIB) em 12 meses. Na conta financeira, o IDP atingiu $7,7 bi (exp $9,5 bi), com o IDE em $2 bi, gerando um investimento estrangeiro líquido de $5,7 bi, acumulando $89,7 bi (4,6% do PIB) em 12 meses. A confiança do consumidor da FGV estabilizou em abr/23, indo de 87 para 86,8 pontos (10,4% a/a).

Na CAE do Senado, Campos Neto (BCB) declarou que há um trabalho grande para reverter as expectativas e alcançar condições para baixar a Selic de forma saudável, além de dizer que o Brasil não passa por uma crise de crédito como nos EUA. Haddad (Fazenda) disse que os nomes dos próximos diretores do BCB serão encaminhados ao Congresso assim que Lula chegar da viagem a Portugal. Hoje, INCC (abr/23) e sondagem da construção (abr/23) às 8h, nota de crédito (mar/23) às 8h30, IPCA-15 (abr/23) às 9h e relatório mensal da dívida pública (mar/23) e fluxo cambial (20/abr) às 14h30. Weg divulga resultado antes da abertura. Vamos, Kepler Weber, Log e Vale, após fechamento.

Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui