24.5 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

IPCA de dezembro teve leitura de 1,35%

Bottom line – O IPCA de dezembro teve leitura de 1,35%, acima da nossa expectativa (1,27%) e do mercado (1,21%). A variação %YoY ficou em 4,52%.

O dado do mês apresenta diversos sinais de aumento de preocupação para o Banco Central, com especial destaque para avanço dos industriais subjacentes. Esperamos para janeiro arrefecimento por conta da alteração da bandeira tarifária de energia dentre outros.

 

Comentário – O IPCA de dezembro teve leitura de 1,35%, acima da nossa expectativa (1,27%) e do mercado (1,21%). A variação %YoY ficou em 4,52%.

Por dentro do índice, destaca-se o avanço de preços administrados (2,04%) por conta da variação na bandeira de energia. Por sua vez, os livres avançaram 1,11% no mês, maior leitura desde janeiro de 2016.

No critério BC, alimentação segue arrefecendo o choque, caindo para 2,12% (anterior: 3.33%), enquanto serviços volta a acelerar e registra 0,83%. Por outro lado, os serviços subjacentes desaceleraram de 0,45% para 0,36%.

Os industriais por sua vez avançaram para 0,91%, enquanto os industriais subjacentes aceleraram de 0,29% para 0,93%.

A média dos núcleos avançou para 0,65% no mês enquanto a difusão subiu para 72,15%, ultrapassando o patamar de 70% pela primeira vez desde fevereiro de 2016.

Em suma, o dado do mês apresenta diversos sinais de aumento de preocupação para o Banco Central, com especial destaque para avanço dos industriais subjacentes. Esperamos para janeiro arrefecimento por conta da alteração da bandeira tarifária de energia dentre outros. Por outro lado, a aceleração de industriais (que deve perdurar por conta de ajustes na oferta e na demanda) e a desvalorização recente do real sugere cautela em relação ao índice de preços.

.

Felipe Sichel

Estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais

Leia mais

Mercado prevê que inflação pelo IPCA ficará em 4,39% este ano

Passagem aérea, gasolina e alimentação em casa pressionam IPCA

Artigos Relacionados

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.