Ipea revisa para 3,7% a projeção de inflação em 2021

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou hoje Nota de Conjuntura sobre inflação. Os pesquisadores revisaram de 3,5% para 3,7% a alta da inflação brasileira para 2021. A previsão anterior foi divulgada na Carta de Conjuntura em dezembro do ano passado. Ainda que haja expectativa de desaceleração nos próximos meses, a revisão das projeções para cima foi motivada pela conjunção de três fatores: inflação corrente um pouco mais elevada; estabilização das cotações internacionais de commodities em nível acima do projetado anteriormente; e taxa de câmbio média mais alta que estimada em dezembro.

A inflação dos alimentos foi revista de 3,0% para 4,4%, bem abaixo dos 18,2% do ano passado, incorporando, deste modo, as novas expectativas de commodities e câmbio.

As estimativas de inflação para os serviços livres, exceto educação, recuaram de 4,0% para 3,6%. Apesar da queda, o segmento deve encerrar o ano com variação acima da observada em 2020 (1,8%), o que representa o principal fator de alta do IPCA em 2021. No caso dos preços administrados, a alta projetada de 4,4% ficou acima da estimada em dezembro de 2020 (4,0%). Os preços administrados devem exercer maior pressão sobre a inflação neste ano devido à incorporação dos reajustes não ocorridos no ano passado, ao câmbio menos valorizado e à alta mais acentuada do petróleo.

As estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) são de variação de 3,4% em 2021, sendo pressionado pelos preços administrados, especialmente energia elétrica e transporte público. Os os alimentos em domicílio devem ter alta de 4,4% este ano, bem abaixo dos 18,2% do ano passado.

Leia mais:

Ipea aponta recuo da inflação para as famílias de menor renda

Inflação: 0,25% em janeiro mas 4,56% em 12 meses

Artigos Relacionados

TCE-SP acolhe pedido de escritório e suspende licitação da CPTM

Escritório de advocacia representa grupo europeu interessado na licitação, cujo nome não pode ainda ser revelado.

Sistemas de saúde público e privado perto de colapso

Ocupação de UTIs acima de 80% nas capitais; hospitais do interior também estão lotados.

Mais de 50% rejeitam pagar por vacina, se oferecida pela rede privada

Percentual tende a crescer caso o governo não consiga aumentar a velocidade de vacinação".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.