Itaú acabou com 340 mil empregos no Brasil

O Itaú Unibanco é responsável pela eliminação de, exatamente, 340.544 empregos no país entre 2014 e 2016. A conta foi feita pela coluna, mas seguindo os números divulgados pelo banco em seus Relato Integrado e do Relatório Anual Consolidado de 2016. Pois neles lê-se que a cada emprego mantido diretamente pela instituição, “por seu funcionamento e pelos produtos analisados, o banco contribui o equivalente à manutenção de 64 empregos no Brasil”. Como o número de “colaboradores” em terras pátrias caiu de 86.192, em 2014, para 83.481, em 2015, seguindo-se nova queda para 80.871, ano passado, chega-se ao cálculo que o Itaú demitiu 5.321 trabalhadores. Vezes 64…

Os dados apresentados pelo banco estariam mais apropriadamente colocados na coluna Acredite se Puder, neste mesmo MM. Difícil conseguir entender como chegaram ao cálculo de que um emprego direto é responsável por 64 indiretos. Mais árduo é descobrir que o Itaú Unibanco “e alguns produtos de crédito para pessoa física e jurídica (que foram definidos de acordo com sua representatividade) geraram o equivalente a R$ 294 bilhões para o PIB, o que corresponde a 5% do PIB brasileiro” de 2016. Somente em salários, foram pagos R$ 19 bilhões, outros R$ 11 bilhões para fornecedores e R$ 9 bilhões em pagamento de impostos. Cada R$ 1 de PIB gerado diretamente pelo Itaú e seus produtos analisados contribui o equivalente a R$ 4,16 para o total do PIB gerado no Brasil. Acredite se puder.

Mas haverá críticos para dizer que eliminar 340 mil empregos em dois anos é um cálculo equivocado da coluna. Afinal, ao cobrar os juros mais altos do planeta, limitar empréstimos a empresas, exaurir as finanças das pessoas com tarifas elevadas, os bancos brasileiros foram responsáveis pelo fim ou pela não abertura de milhões de postos de trabalho.

 

Chapa branca

Entende-se que o Governo Temer, em sua comunicação oficial, só se referiu à greve geral como “protestos”. Entende-se mais ainda porque os jornalões fizeram o mesmo.

Resumo feito pela ombusdman da Folha, Paula Cesarino Costa: “Na sexta-feira, o bom jornalismo aderiu à greve geral. Não compareceu para trabalhar.”

 

Gringos

O aplicativo Greengow promete ser possível conversar por telefone com alguém que não fala a sua língua. A tecnologia, desenvolvida pela iniciante empresa norte-americana de mesmo nome, possibilita a comunicação entre pessoas de idiomas diferentes estando em qualquer lugar do mundo. O app contou com um investimento de US$ 2 milhões e chegou ao Brasil, Estados Unidos, França, China e Rússia.

O usuário poderá se comunicar em inglês, português, francês, espanhol, alemão, italiano, japonês, coreano, chinês (mandarim) e russo. O download está disponível gratuitamente para usuários dos sistemas Android e IOS. O comunicador, porém, é gratuito apenas quando falado em mesmo idioma.

 

Imperialista

De um amigo da coluna, que esteve em viagem pelo Sudeste Asiático: “Visitando na antiga Saigon (hoje rebatizada de Ho Chi Mihn City) o impactante museu sobre a Guerra do Vietnã – impactante até pela relativa simplicidade – não pude deixar de me perguntar, afinal, quem venceu esta guerra, ao me deparar entre os patrocinadores do museu com a Pepsi, que tem um estande para a venda das suas bebidas no local.”

Ele arrisca uma explicação, dada pelos vietnamitas: “Eles estiveram 18 anos em guerra com os Estados Unidos, 100 anos em guerra com a França e mil anos com a China…. só assim dá para entender que hoje em dia as relações econômicas entre o Vietnã e os Estados Unidos são as mais estreitas possíveis.”

 

Rápidas

A Pif Paf anunciou que Paulo Andrade assumiu, nesta terça-feira, o comando executivo da empresa de alimentos, que completará 50 anos em 2018. Até então a companhia teve à frente de sua operação apenas o seu fundador, Avelino Costa, e o filho Luiz Carlos Mendes Costa *** Maria Silvia Bastos Marques, presidente do BNDES, estará na abertura do Congresso Abvcap 2017, no Teatro Santander São Paulo, em 5 e 6 de junho *** O Ministério da Saúde informa que todas as farmácias credenciadas no Programa Farmácia Popular do Brasil precisam fazer a renovação do credenciamento, para 2017, até 31 de julho, em www.caixa.gov.br/farmaciapopular *** Empresas do setor moveleiro estarão reunidas entre 9 e 11 de maio para a segunda edição do Rio Show, no Centro de Convenções SulAmérica *** A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) realizará nesta quarta o Encontro de Informações Estratégicas para o Mercado Imobiliário, onde apresentará o primeiro indicador nacional do mercado imobiliário, resultado de diversos censos realizados em várias regiões metropolitanas do País. O evento será realizado na sede do Secovi-SP, a partir das 14h *** As centrais sindicais se reúnem nesta quarta, em Brasília, para definir um calendário de lutas por mudanças nas reformas trabalhista e previdenciária.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.