JBS teve o maior lucro de sua história

Fábricas operam em volume acima do normal para atender à demanda global por proteína.

Acredite se Puder / 18:05 - 26 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A JBS está operando em volume acima do normal para atender à demanda global por proteína, segundo a informação de seu executivo-chefe, Gilberto Tomazoni, durante a divulgação do resultado do último trimestre do ano passado, cujo lucro cresceu 332,4% e atingiu a R$ 2,4 bilhões. Durante o exercício, o resultado aumentou 241% e chegou a R$ 6,1 bilhões, sendo o maior resultado da história da companhia e incluindo as variações cambiais, principalmente a desvalorização do real frente ao dólar ocorrida no ano passado.

Os analistas avaliaram como positivos os resultados, sendo que, para os do Bradesco BBI, embora os números trimestrais agora pareçam distantes, devido a pandemia, eles mostram que a companhia construiu uma posição de robusta de caixa para enfrentar os futuros desafios. Outro ponto considerado como positivo é a exposição doméstica relativamente elevada, que a protege de possíveis gargalos nas exportações. Além disso, destacaram que o lucro trimestral foi acima das expectativas, bem como o Ebitda e as vendas nos Estados Unidos e no Brasil, da marca Seara. E mantiveram a nota acima da média, com preço-alvo de R$ 37,00, com possibilidade de ganhos na faixa de 70%.

Para o Credit Suisse, o destaque foi o Ebitda, que foi 67% maior no Brasil, ao chegar em R$ 5,7 bilhões. Ressaltaram os comportamentos das divisões de carnes bovina e suína nos Estados Unidos (US beef e US pork)m nas consideraram que, embora a Seara e JBS Brasil tenham apresentado resultado decente foi abaixo do esperado pelo mercado. Para a Bloomberg, a receita líquida da JBS no quarto trimestre, de R$ 57,1 bilhões, ultrapassou até das maiores estimativas, que eram de R$ 55,4 bilhões.

 

Moratória em Portugal será de 6 meses

Através de decreto-lei, o governo português estabeleceu medidas excecionais de apoio e proteção de famílias, empresas e demais entidades da economia social, para assegurar o reforço da sua tesouraria e liquidez, atenuando os efeitos da redução da atividade econômica. Tal decisão representa moratória de seis meses e significa que algo em torno de 20 bilhões. No Brasil, os governadores e os prefeitos não alteraram os prazos para recolhimentos de impostos e nem fizeram a menor referência ao parcelamento deles; E o governo federal também não fez nenhuma menção, mesmo sabendo que poderia oxigenar as empresas asfixiadas, por exemplo, concedendo moratória para as parcelaram dívidas através dos Refis.

Antes do governo tomar a decisão, o Santander Portugal disponibilizou nesta madrugada a possibilidade dos clientes, particulares e empresas, pedirem moratórias dos seus créditos, de forma simples e sem qualquer burocracia, possibilitando às 250 mil famílias que têm crédito habitação no banco, aos clientes que têm crédito pessoal e às 67 mil empresas financiadas a possibilidade de, tendo tido redução dos seus rendimentos, terem desde já a suspensão do processamento das suas prestações e adesão à moratória do banco que permite a carência de capital de seis meses na vasta maioria dos produtos comercializados pelo Santander.

 

Fraudes na Via Varejo chegam a R$ 1,19 bi

A investigação da Via Varejo descobriu que as fraudes contábeis, erros e mudanças de estimativas nos balanços de exercícios anteriores, cujas denúncias foram recebidas pela empresa em outubro do ano passado, totalizaram R$ 1,19 bilhão com impacto no balanço. A controladora da Casas Bahia e do Ponto Frio, afirmou que não será necessária a abertura de exercícios anteriores a 2019 para os ajustes, pois a companhia avaliou bem o assunto e não são necessários ajustes retrospectivos, sendo ajustados no próprio exercício de 2019, ressaltando que os ajustes contábeis não impactarão de forma adversa o seu fluxo de caixa, condição financeira ou sua capacidade de honras compromissos. No ano passado, a empresa registrou lucro líquido de R$ 78 milhões no quarto trimestre, invertendo um prejuízo de R$ 282 milhões, mas no exercício a varejista teve perdas de R$ 479 milhões.

 

Vírus não impede Walmart de contratar 25 mil

Apesar da pandemia, o Walmart, maior empregador privado dos Estados Unidos, para manter as prateleiras cheias e funcionários nos caixas, na primeira semana de um programa de contratações já aceitou 25 mil pessoas e abriu outras milhares de vagas. A varejista encurtou o processo de contratação de duas semanas, para apenas três horas, eliminado entrevistas formais e ofertas de emprego por escrito. Com isso, gerentes das lojas têm autoridade para fazer ofertas verbais para estudantes do ensino médio e universitários, além de pessoas que perderam o emprego em restaurantes e hotéis. A meta da empresa é a contratação de 150 mil trabalhadores que são pagos por hora. Isso representa aumento de 10% da força de trabalho norte-americana.

 

Prejuízo da Oi chegou a R$ 9 bilhões

No ano passado, a Oi teve prejuízo de R$ 9 bilhões, contra lucro líquido de R$ 24,59 bilhões em 2018, devido ao beneficio do corte da dívida em seu processo de recuperação judicial. A redução no Ebitda foi de 8,7%, que baixou para R$ 6,01 bilhões, enquanto a dívida bruta cresceu 1,8% para R$ 18,23 bilhões. Devido a incerteza econômica, a Oi se recusa a fazer projeções para este ano. Nenhuma casa analisou esse resultado.

 

Paranapanema paralisa fábrica de SP

Ignorando os apelos do governador João Dória, a Paranapanema suspenderá, a partir de 30 de março, as atividades na fábrica de Utinga (SP) e também na de Serra (ES), mantendo em operação apenas a da fábrica de Dias D’Ávila (BA).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor