Jejum decisório

O fracasso da conferência da FAO para enfrentar a alta dos preços dos alimentos e da fome no mundo revela mais pelo que silenciou do que pelas propostas cosméticas sugeridas. Enquanto defenderam a necessidade de o mundo investir mais US$ 20 bilhões por ano para aumentar a produção de comida, os representantes dos países presentes ao fórum, principalmente, dos mais ricos, foram omissos ou extremamente cerimoniosos em apontar a especulação nos mercados futuros e a concentração da produção e da distribuição dos alimentos como causas-chave da crise. Ou seja, faltou fome em resolver o problema.

Herança Menem
Com o crescimento econômico anual entre 8% e 9% do PIB, nos últimos cinco anos, a Argentina vive uma explosão da demanda por energia. Porém, enfrenta problemas estruturais para aumentar as reservas de petróleo e gás, conforme disse Fausto Maranca, da Câmara Argentina de GNV, ressaltando que a Argentina é um dos poucos países que privatizaram essa indústria estratégica. O país vizinho estuda o uso do gás natural comprimido em veículos pesados.

Campeão
O engenheiro Wagner Victer recebeu nesta quinta o prêmio NGV World Champion From Latim America, que pela primeira vez é entregue a um brasileiro. De acordo com os organizadores do prêmio, a escolha de Victer foi unânime, em função do seu trabalho frente à Secretaria de Energia do rio de Janeiro entre os anos de 1999 a 2006. Enquanto esteve à frente do setor, o número veículos convertidos aumentou de 5 mil para 500 mil, o número de postos de abastecimento de GNV no estado saiu de 18 para 520 e o número de municípios atendidos saltou para 30 – em 1999, apenas a capital recebia gás.

Tricolor
Victer, atual presidente da estatal de saneamento do Rio de Janeiro, a Cedae, tinha outro motivo para abrir um largo sorriso: a vitória do seu Fluminense sobre o Boca Juniors, na noite anterior.

Concentração
Em 2006, o Governo Lula e as estatais federais destinaram R$ 1.015.773,83  à publicidade oficial. O recorde anterior fora registrado, em 2001, no governo FH: R$ 953,7 milhões. A quase totalidade desses recursos beneficiou os nove grupos empresarias que controlam cerca de 85% dos meios de comunicação no país. Os dados são apresentados pelo jornalista Altamiro Borges em seu blog – http://altamiroborges.blogspot.com/ – para defender a necessidade de democratizar a distribuição da verba publicitária para os meios de comunicação.

No mínimo, o máximo
Borges acrescenta que 62% das verbas publicitárias do governo Lula foram destinadas a emissoras privadas de televisão, 12% a rádios, 9% a jornais, 8% a revistas, 1,5% à Internet, 1,5% a outdoors e 6% a outras mídias: “Somente a onipotente TV Globo abocanhou mais de 60% dos recursos da televisão. Já os três principais jornalões do país (Folha, Estadão e Globo) ficaram com o grosso da verba publicitária do setor. A ditadura midiática, que prega o “Estado mínimo” e critica os gastos públicos, iria à falência sem os recursos oficiais”, ironiza Borges.

Cobras
O jornalista admite existir “enorme decepção com o Governo Lula” entre os que alimentaram ilusões sobre uma distribuição menos concentrada das verbas de publicidade. Para ele, nesses setores, “o adjetivo trivial” para definir  a postura do governo diante “da ditadura midiática” é o de “covarde”: “Ninguém aguenta mais percorrer os corredores burocráticos do governo para solicitar verbas publicitárias. A desculpa apresentada é dos critérios do mercado, da audiência e tiragem. Na prática, o governo incentiva a monopolização do setor com recursos públicos e castra a possibilidade de estímulo à diversidade e à pluralidade informativas. Repetindo: o Governo Lula alimenta cobras!”

Ataque ao bolso
Os Correios trocaram, desde o último dia 13, o telefone gratuito (0800 5700100) da Central de Atendimento aos Clientes (CAC) por números em que o usuário paga a ligação. Para passar telegrama fonado, por exemplo, o número é 2503-8585. A troca, afirma a empresa, é temporária.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorNa lata
Próximo artigoBolha do óleo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...