Jogo bruto

O cineasta Luiz Carlos Barreto fez duras críticas Sky, durante a audiência pública que debateu o Projeto de Lei da Câmara dos Deputados 116, que unifica as leis que regulam o serviço de TV paga, abe o mercado para as empresas de telefonia, derruba a restrição à participação do capital estrangeiro no setor, hoje em 30%, e estabelece cotas de conteúdo nacional na programação a cabo. Barreto, que representou o Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual (Sicav-RJ), acusou a Sky de tirar do ar o Canal Brasil, por este defender o projeto, desconsiderando contrato com vigência até 2014: “Foi uma atitude de retaliação”, enfatizou, acrescentando que a operadora recuou e voltou a transmitir o canal.
Pelo visto, direito adquiridos para certas empresas, é via de mão única.

Lá&cá
Barretão criticou ainda a Sky, que transmite 100% de conteúdo internacional por satélite, sem gerar empregos no Brasil, por querer derrubar o sistema de cotas de conteúdo nacional que faz parte da proposta por considerar absurda, “uma cota insignificante de três horas e meia para produção brasileira semanal, como previsto PLC 116, semanal, praticamente simbólica”. Barretão lembrou que a mesma Sky aceita a cota de 60% de conteúdo nacional determinada na Europa: “E agora vem criar essa idéia falsa de que não há consenso sobre o projeto. Eu acho isso uma falta de ética muito grande”, criticou o cineasta.

Represálias?
Para o cineasta, a Sky teme o fantasma da entrada das teles no mercado de TV fechada. Ele afirmou que preferiu denunciar “a atitude nefasta” da operadora, mesmo sabendo que poderá sofrer consequências: “Só falei porque, aos 82 anos de idade, não posso mais guardar nada debaixo do tapete”, desabou, acrescentando que, se o projeto não for aprovado logo, o setor de audiovisual, “o que mais cresce no país e no mundo, a taxas de até 9% ao ano, terá cinco anos de atraso”.

Arte e sorte
A mudança do marco regulatório era um dos temas do seminário sobre investimentos no setor de petróleo que a Fundação ARO e o MONITOR MERCANTIL realizaram nesta quinta. Isso, algumas horas após a aprovação do sistema de partilha pela Câmara dos Deputados. “Ou o jornal tem fontes poderosas no Congresso ou foi muita sorte”, comentou alguém da platéia.
O jornalista Sidney Rezende, que mediou os debates, lembrou então uma frase do golfista Tiger Woods: “Quanto mais eu treino, mas eu tenho sorte!”

Perdas do Rio
Recém-chegado de Brasília, o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ) fez um resumo, no seminário, da votação do marco regulatório e se mostrou pessimista quanto ao veto do presidente Lula ao artigo que muda a distribuição de royalties. Leite acha que se Lula realmente vetar esse item, o Congresso pode derrubar a decisão do presidente. Sua esperança é a próxima legislatura e a liderança da presidente Dilma.

Título
Ainda no seminário, que teve o patrocínio da Petrobras, o secretário estadual de Desenvolvimento e Energia do Rio de Janeiro, Julio Bueno, brincou com a vitória do sistema de partilha sobre o modelo de concessão, que ele apoiava: “Eu tenho sido derrotado ultimamente.”
Terça-feira, Bueno concorrera à presidência do Fluminense, quando foi derrotado pelo candidato da oposição. O secretário disse esperar virar o jogo domingo, quando o tricolor pode se sagrar tricampeão brasileiro.

O verdadeiro vilão
O cientista político Theotonio dos Santos discorda dos que usam o combate à inflação como o álibi preferencial para justificar a alta dos juros. Para Santos, do Conselho Editorial do MM, a queda dos juros pode até diminuir a inflação, por reduzir o custo de produção e o gasto público (com a dívida): “Do jeito que as coisas estão, a taxa de juros brasileira atrai uma quantidade enorme de aplicações especulativas, que entram e saem em alta velocidade. Vimos isso em 1998, quando saíram US$ 60 bilhões em poucos meses. Hoje temos mais reservas, mas a pressão de saída é maior”, advertiu, lembrando que os juros altos valorizam o real e aceleram as importações, em detrimento das exportações.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVox populi
Próximo artigoNível V

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...