Jogo de cena na segurança pública?

Em maio do ano passado, este colunista almoçou com militares da ativa e da reserva. No cardápio, além de peixe e carne, a crise na segurança do Rio. A saída traçada pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) começava pela intervenção na cúpula de segurança do estado. A visão dos especialistas era que seria impossível qualquer mudança sem este passo essencial. O prazo para a ação seria até o final do mês seguinte, junho.

A pedido dos participantes, nada do que se discutiu foi publicado. O tempo passou, e a intervenção não veio. Motivos políticos suplantaram as decisões estratégicas.

Agora, novamente interesses políticos se sobrepõem. Um, tentar reviver um presidente da República que planta nas colunas amigas a intenção de ser candidato à reeleição, do alto de seus 97% de impopularidade. Outro, abrir caminho para a criação do Ministério da Segurança Pública.

Se criar ministérios resolvesse os problemas, Dilma Rousseff não teria sofrido tanto em seu governo com 39 pastas. A invenção de Temer tenta jogar com a mídia, mas o objetivo é mais profundo: tirar a incômoda Polícia Federal de seus calcanhares. A ventilação do nome de José Beltrame, delegado da PF e ex-secretário de Segurança do Rio, corrobora a tese.

 

Ainda há flechas

Fica o alerta: as investigações da Lava Jato sobre o Governo do Rio de Janeiro ainda não alcançaram mais que duas ou três pastas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.

Balanço melhor que o esperado da Petrobras anima mercado nacional

Hoje, no exterior, Bolsas mundiais operam sem direção única.

O futuro está nas criptomoedas?

Quarta foi de intensa volatilidade nos mercados externos; por aqui com justificativa, ainda em função do imbróglio de Petrobras e Eletrobras.

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.