Jornalista Isa Colli conquista a cadeira 74 da AILB

Que o Brasil é um celeiro de talentos, nós já sabemos, mas, a notícia do mercado literário é que a escritora brasileira Isa Colli, acaba de ser efetivada como membro 074 da AILB, Academia Internacional de Literatura Brasileira. A academia é uma importante e conceituada instituição que promove diversas atividades literárias, além de ressaltar escritores que estejam contribuindo para a expansão da presença literária brasileira, dentro e fora do Brasil.

A escritora e jornalista capixaba, que também morou por anos no Rio e em São Paulo, foi inserida no mercado literário desde cedo, sendo incentivada por sua mãe, mas, foi depois de muitas histórias, escritas e criatividade que, no ano de 2018, realizou um grande sonho. Lançou sua própria editora: a Colli Books. Editora especializada em literatura infantil, também com livros para adultos nos segmentos de ficção, romance e poemas. Essa realização a proporcionou grandes oportunidades não só de ter autonomia em sua carreira, como ampliar esta oportunidade a novos autores, que assim como ela, nutriam o desejo de entreter, e passar conhecimentos aos pequenos e aos adultos.

Atualmente, mora na Bélgica, onde também desenvolve seu trabalho literário. O reconhecimento da academia de literatura veio como resultado da trajetória de sua carreira, no desenvolver de seu incansável e apaixonante trabalho no Brasil e exterior com seus livros para o público infantil, se lançando no mercado internacional.

Isa conta sobre sua paixão pela literatura infantil e sobre o desafio de atuar no mercado literário no Brasil e exterior. De acordo com a escritora, o mercado literário é desafiador em qualquer lugar do mundo. “Investir no mercado literário é desafio. As diferenças entre o Brasil e o exterior são muitas. Começam pelas leis trabalhistas, assistência ao cidadão, incentivo ao empresário, o momento econômico de cada país, o incentivo à leitura e educação. Eu faço por amor. Mesmo morando fora do país, não podia deixar de trabalhar em minha pátria amada.  Acredito que com criatividade, podemos vencer dentro do mercado que escolhemos. E, eu escolhi literatura infantil”, comenta.

Sobre a escolha do segmento infantil ela brinca: “Os adultos que me perdoem, mas escrevo para elas. E não as trato como crianças bobas, não! Sei de seu potencial e inteligência. Apenas busco uma linguagem que comunique com elas”, conta.

Seu primeiro livro lançado, foi no ano de 2011, um romance “Um amor, um verão e o milagre da vida”, reeditado com o nome “O Recomeço”, que abriu portas para novos estilos de escrita, e em 2013, começou a escrever livros com a temática infantojuvenil.

Guerreira e batalhadora, nem mesmo as adversidades a impediram de seguir. Descobriu um câncer, uma doença degenerativa, e com todos os motivos para desistir, foi aí que se dedicou totalmente à escrita e à literatura. Voltou a publicar livros em 2016 e 2017, mas nunca parou de produzir.

Em sua biografia, possui mais de 27 títulos, e não pergunte qual o seu preferido. Pois para ela livros são como filhos, e ela ama todos. Sua inspiração vem da vivência, de ouvir as próprias crianças, além do desejo de passar mensagens educativas e de ensino. Neste mês de outubro, seu livro “Maia, a estrela do mar”, entrou na plataforma Buobooks, livraria mundial online que vende e entrega livros em português a quem vive fora do Brasil. Seus livros já se encontram em vários países da Ásia, Europa, Oriente Médio, África e América, em Português, inglês, francês e árabe.

“Luke, o macaco Atleta”, é um dos livros de sua autoria, que recebeu reconhecimento internacional no primeiro no 1° encontro Latino-americano do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana realizado, no ano passado.

Isa não para. E, mesmo com uma editora nova, já contabiliza uma extensa lista de importantes eventos literários como Bienal do Rio e São Paulo, além de feiras internacionais em Bolonha, Bruxelas, Lisboa e Frankfurt.

Em meio à pandemia, juntamente um timaço de jornalistas amigos, tem aproveitado as páginas do Instagram, Facebook e Youtube de sua editora para fazer lives sobre temas como alimentação, obesidade, arte, covid-19 e saúde tendo como convidados artistas, médicos, jornalistas e representantes de grandes Instituições como ONU (Organização das Nações Unidas) e Fiocruz, entre outras.

Mesmo com este momento delicado da pandemia em que o mundo se encontra. Isa, se mantém positiva em relação ao seu segmento de literatura infantil.

“A editora Colli Books nasceu em 2018 e logo veio a pandemia. Estamos nos adaptando a essa nova realidade, assim como muitos outros segmentos. É um momento de transição e análise de cenário, da vida, de tudo. Precisamos estar com a mente aberta para atender as exigências do momento. Ainda este ano desejamos estender a leitura de nossas obras para outros novos países que ainda não atuamos. Não podemos desistir”, finaliza.

Artigos Relacionados

Abeoc: parlamentares apoiam retomada do setor de eventos

Presidente da Abeoc Brasil, Fatima Facuri, participou do Conecta 6.0 Comunidades Colaborativo.

Livro ensina a lidar com o Transtorno do Déficit de Atenção

Proposta é oferecer um suporte para as aflições, além de mostrar a realidade do transtorno e apresentar possíveis caminhos para se encontrar soluções.

Cultura Inglesa lança imersão gratuita de inglês pelo celular

Atividades acontecerão em aplicativos WhatsApp e ClubHouse para prática gratuita do idioma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.