Já é Natal

O comercio lojista da Cidade do Rio de Janeiro registrou em outubro o maior aumento, em 2010, do número de consumidores que quitaram suas dívidas em atraso. O índice cresceu 11,3% em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com os registros do Serviço de Proteção ao Crédito do Clube de Diretores Lojistas (CDL-Rio). No acumulado dos dez meses, o aumento foi de 6,2% em comparação com o mesmo período de 2009.
A inadimplência diminuiu 0,6% e as consultas (que indica o movimento do comércio) aumentaram 9,8% em outubro. No acumulado do ano, a inadimplência diminuiu 0,8% e as consultas cresceram 8,4%.

Complicado
Foi prorrogada para 15 de dezembro a data limite para a entrega da Declaração do Simples Nacional relativa à Substituição Tributária e ao Diferencial de Alíquota (STDA), de acordo com Mauro Ricardo Costa, secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, que atendeu a reivindicação do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de São Paulo (Sescon-SP).
Trata-se de mais uma obrigação acessória imposta às micro e pequenas empresas paulistas. “Recebemos várias reclamações de contribuintes e empresários de contabilidade que não entregaram a obrigação em virtude de problemas no sistema de recepção do Posto Fiscal Eletrônico, único meio para esse fim”, explica José Chapina Alcazar, presidente do Sescon-SP.

Lançamento
Eliana Dutra lança nesta quarta-feira o livro Coaching – o que você precisa saber, na Livraria Argumento no Leblon (RJ), às 19h.

Marcha para o Oeste
Na Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro moram 30% da população, mas a região concentra apenas 7% do emprego oferecido na cidade. A atividade econômica local é composta por cerca de 3.700 estabelecimentos, 87,2% dos quais de comércio e serviços, empregando aproximadamente 49 mil pessoas. O volume de negócios gera R$ 956,9 milhões de ICMS, sexta arrecadação da Capital. Sede de gigantes como a ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico, maior investimento privado no Rio nos últimos anos, a região receberá, pela terceira vez, a RH Oeste Rio, que vai debater o papel do RH e a gestão de pessoas aliado às inovações e ferramentas tecnológicas. Será dias 17 e 18 próximos. Mas informações em www.rhoeste.com.br

Danem-se as urnas
Os “jornalões” saíram derrotados das eleições, mas não se dão por vencidos. Insistem em impor sua agenda reacionária ao novo governo. No que contam com a preciosa colaboração de pessoas como Paulo Bernardo, que parece ter incorporado o cargo de porta-voz de Antonio Palocci.

Boca de urna
Antes de pensar em qualquer outra ação contra uma eventual volta da CPMF, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, tem oportunidade ímpar de, ao mesmo tempo, cumprir antiga promessa e fornecer argumento de ouro aos que se opõem ao imposto sobre movimentação financeira: baixar os preços dos produtos industriais proporcionalmente à extinção da contribuição. Passados quase quatro anos do fim da vigência da CPMF, os brasileiros não conhecem um só produto que tenha ficado mais barato, como prometiam exaustivamente Skaf e os líderes da campanha pelo fim da CPMF.

Artigo anteriorPressão
Próximo artigoInsubordinação?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

G20 promete ‘financiamento total’ de compra de vacinas pela OMS

Medida desbloquearia quase US$ 20 bilhões.

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.