Justiça da Califórnia enquadra Uber e companhia

Empresas terão que contratar seus funcionários, como determina a lei.

Uber, Lyft e similares têm até 20 de agosto para recorrer de uma decisão preliminar da Justiça da Califórnia que obriga as empresas a classificarem os seus motoristas no estado como funcionários, e não como prestadores de serviço. A determinação veio em resposta a ação movida pelo estado, que cobra o cumprimento da legislação conhecida como AB5, que entrou em vigor em 1º de janeiro e torna mais difícil para as empresas classificar os trabalhadores como contratados independentes, em vez de funcionários que têm direito a salário mínimo e benefícios.

O Uber fez alterações em seu aplicativo para permitir que os motoristas definam suas próprias tarifas, em um esforço para evitar o alcance da nova lei, mas a maquiagem não enganou a justiça californiana. O governo estadual criticou as empresas de gastarem mais de US$ 100 milhões em um lobby para minar a lei.

Enquanto isso tudo ocorre no atrasado e paternalista Estados Unidos, a moderna justiça brasileira segue dando ganho de causa, especialmente nos tribunais superiores, às empresas que se escondem por trás de aplicativos. Mas as demandas sociais escancaradas pela pandemia ajudam a mudar o jogo: na Câmara, corre em caráter de urgência projeto que visa a garantir alguns direitos dos entregadores. É um começo.

 

Leis de má qualidade

Dos 55,1 milhões de processos ajuizados na justiça brasileira em 2019, ao menos 19,4 milhões (35,6%) envolvem o poder público como parte. O dado consta do Anuário da Justiça Brasil 2020, lançado pela Editora Consultor Jurídico em parceria com a Fundação Armando Alvares Penteado (Faap).

O levantamento mostra que o trabalho do STF aumentou n o ano passado. Para a unanimidade dos ministros entrevistados, há excessiva judicialização dos conflitos. A má qualidade das leis também ajuda a explicar o fenômeno. De cada dez julgadas no ano passado, sete leis foram consideradas parcial ou totalmente inconstitucionais.

 

Marco inconstitucional

Nesta terça, PT, PSOL, PCdoB e PSB ajuizaram ação direta de inconstitucionalidade no Supremo contra o novo Marco Legal do Saneamento Básico (Lei 14.026/2020), sancionada pelo presidente Bolsonaro em 15 de julho.

A ação aponta que “o novo marco legal representa risco de dano iminente ao dever da administração pública de ofertar a todos o acesso a bens essenciais em função do princípio da universalidade dos serviços públicos, cuja máxima determina que sua prestação não deva distinguir seus destinatários”.

 

Confusão jurídica

Nesta sexta, o Supremo prevê iniciar o julgamento da suspensão da Liminar 1.264 Distrito Federal, que suspendeu algumas cláusulas da Sentença Normativa que julgou o Dissídio Coletivo de 2019 dos Correios, proferida pelo TST.

Decisão monocrática do ministro Dias Toffoli durante as férias no STF ajudou a criar uma situação de insegurança jurídica. A Procuradoria-Geral da República, segundo a Associação dos Profissionais dos Correios (Adcap), opinou que esse tema é infraconstitucional e, portanto, não está na competência de atuação do STF.

A expectativa dos trabalhadores é de que a liminar seja suspensa e que a decisão original do TST seja restabelecida.

 

Hora da virada

Foi lançada nesta quinta a campanha 'ÉHORAdeVIRARo JOGO, liderada pela Auditoria Cidadã e dezenas de entidades para mobilizar a sociedade para modificar o modelo econômico, “que tem produzido escassez, miséria e atraso, que não combinam com a abundância que existe em nosso país”.

 

Rápidas

A CVM e a FGV Direito Rio debaterão nesta quinta-feira, às 17h30, a Cartilha do Crowdfunding de Investimento à luz da Instrução 588/2017, no perfil @CVMEducacional no Instagram *** A Apura e o Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados (Ieja) promovem na próxima segunda-feira, às 18h, o webinar “Ciberguerra – o crime agora é na internet” no YouTube *** A terapeuta Heloísa Bernardes lançou curso profissionalizante de extensão em ortomolecular, online, com direito a certificado da Facha. Programação aqui *** Aasp realiza nesta quinta-feira, 17h, o webinar “Alienação parental: debates sobre os 10 anos da Lei 12.318/2010”. Inscrições aqui *** “Gestão de Riscos no Mercado Livre de Energia Elétrica” é o evento nnline que o Ibef Rio realizará dia 21, às 9h30, com Rogerio Rocha, C3R Energia e Nelson Ricardo, diretor técnico Brasco Enterprises. Informações aqui.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lei do Superendividamento favorece negociação e cobrança humanizada

Início das multas no contexto da LGPD também deve frear a oferta de crédito a quem não pode pagar.

Mercado de fertilizantes especiais cresce 41,8% em 2020

Neste ano, a expectativa é de que o setor obtenha uma nova elevação de 24%.

Consumo nos setores de turismo e diversão cresce em junho no Rio

O consumo das classes C e D no Brasil recuou 5% em junho, depois de ter subido 8% em maio, de acordo com a...

População de países emergentes fica ainda mais pobre

Perda de renda foi 2x maior que nas nações ricas.

Pagamento indevidos: TCU encontra 11% de inconsistências no INSS

‘Falhas afetam a confiabilidade do banco de dados’ de benefícios previdenciários.