Justiça do Rio revisa processo e absolve condenado reconhecido por fotografia na delegacia

Reconhecimento, por foto ou mesmo presencialmente, deve ser corroborado por outras provas colhidas na fase judicial

77
Prisão
Prisão (foto de Rafaela Ely, CC)

O Terceiro Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) decidiu, por unanimidade, conhecer e prover o pedido de revisão e absolveu um condenado a nove anos e 26 dias de prisão da acusação de roubo a um casal, na Tijuca, Zona Norte da cidade. A informação é da assessoria de imprensa do TJRJ.

Relator do processo, o desembargador Alcides da Fonseca Neto, deu procedência ao pedido revisional feito pela defesa de Luan Rodrigues Petrovich, de 28 anos, considerando que o seu reconhecimento na delegacia policial pelas vítimas deixou de atender às formalidades legais, previstas no artigo 226 do Código de Processo Penal. O reconhecimento de Luan ocorreu em fotografia, datada de 2013, quando ele contava 18 anos de idade e tinha sido preso por outro delito. O acusado não estava presente e nem foi confrontado com o casal assaltado.

De acordo com o artigo 226 do CPP, os requisitos para reconhecimento de um acusado devem obedecer aos seguintes critérios: a vítima deve descrever a pessoa a ser reconhecida; essa pessoa deverá ser colocada ao lado de outras, com quem tenha semelhança; caso a vítima tenha receio de fazer o reconhecimento, a autoridade policial providenciará para que ela não seja vista pela pessoa a ser reconhecida.

No voto, o desembargador Alcides da Fonseca Neto destacou entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre a validade do reconhecimento para fins condenatórios: “Todavia, em julgados mais recentes, a Corte Cidadã adotou o entendimento segundo o qual o reconhecimento da pessoa, presencialmente ou por fotografia, realizado na fase do inquérito policial, apenas é apto para identificar o réu e fixar a autoria delitiva quando observadas as formalidades previstas no artigo 226 do Código do Processo Penal e quando corroborado por outras provas colhidas na fase judicial, sob o crivo do contraditório e ampla defesa, assim, não se pode considerar ser esta a hipótese dos autos”, apontou o relator.

Espaço Publicitáriocnseg

Acrescentou também: “Cumpre asseverar, mesmo quando o reconhecimento realizado de acordo com o modelo legal descrito no reconhecimento pessoal embora válido, não pode induzir, por si só, à certeza da autoria delitiva, ora ancorada em um único elemento probatório, ainda mais, quando se refere ao reconhecimento fotográfico realizado em desacordo com a formalidade estabelecida em texto legal.”

Inicialmente, pedido de revisão foi recusado

Em 2018, Luan Rodrigues Petrovich foi acusado de assaltar o motorista de um Jeep Compass e, além do carro, ter roubado o celular e demais pertences do motorista, em um posto de gasolina, na Rua Doutor Satamini. A mulher do motorista não chegou a ter os pertences roubados.

Cinco dias após o assalto, o casal esteve na delegacia e fez o reconhecimento de Luan por fotografia em um álbum supostamente de ladrões que agiriam no bairro. Posteriormente ao reconhecimento por fotografia, o casal apresentou um vídeo das câmeras de segurança do posto de gasolina, cujo foco das imagens foi questionado no processo. Indiciado pelo crime, Luan não chegou a ser preso e faltou às audiências de instrução, alegando que estava doente. Foi condenado pela 40ª Vara Criminal e encaminhado ao presídio Evaristo de Moraes.

A defesa entrou com recursos, pedindo a revisão criminal e absolvição do condenado. A principal alegação questionava o reconhecimento na delegacia sem observar o artigo 226, com a utilização de uma fotografia do suspeito feita dez anos atrás. Outro argumento da defesa foi em relação à descrição do suspeito pelo casal, que não mencionou a tatuagem de um escorpião que Luan ostentava no braço e seria bem visível, já que o assaltante vestia camiseta. Os advogados alegaram, ainda, que a arma utilizada no crime jamais foi apreendida.

Inicialmente, o pedido revisional foi analisado e recusado em instâncias do tribunal, antes de subir para julgamento do Terceiro Grupo de Câmaras Criminais, que seguiu o voto do relator: “Pelo exposto, voto no sentido de JULGAR PROCEDENTE o pedido revisional para absolver o requerente Luan Rodrigues Petrovitch dos crimes previstos no 157, §2º-A, I, (duas vezes), na forma do artigo 70, ambos do Código Penal, pelos quais foi condenado nos autos do processo nº 0239592 – 35.2018.8.19.0001, nos termos do art. 621, I, e art. 386, VII, do Código de Processo Penal. EXPEÇA-SE ALVARÁ DE SOLTURA”, concluiu o desembargador Alcides da Fonseca Neto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui