Kafkaniano

A nova alta do preço da gasolina puxada pela escalada da tarifa do álcool anidro (aquele misturado à gasolina) em plena safra ensejou uma explicação kafkaniana da Unica – entidade que representa os usineiros do país. Segundo a Única, o valor desse tipo de álcool sobe devido ao incremento da demanda dos consumidores por gasolina em detrimento do álcool hidratado. A explicação faria algum sentido se a troca de álcool hidrato por gasolina não estivesse ocorrendo justamente pela disparada do valor do primeiro, provocada pelo fato de os usineiros priorizarem exportar açúcar do que garantir o abastecimento do mercado interno.

Lobby da ineficiência
Apesar de os consumidores de um país auto-suficiente em petróleo como o Brasil estarem pagando mais caro pelo combustível na bomba devido à ausência de controle sobre o mercado sucroalcoleiro, os eternos incomodados com a Petrobras optam por criticar a estatal, que, segundo eles, deveria elevar seus preços internos em sintonia com a volatilidade da cotações dos cassinos internacionais dos mercados futuros da commodity. Na verdade, por trás da defesa dessa política de “preço livres” oculta-se o lobby das multinacionais concorrentes da Petrobras, que desejariam que a gasolina no Brasil se fixasse no patamar de US$ 2 (cerca de R4 3,40), para viabilizar sua “competição” com a empresa brasileira.

Quem banca a festa?
Antes que empreiteiras, financiadoras ou não de campanhas eleitorais, avancem sobre as concessões do filé mignon dos aeroportos brasileiros, uma questão precisa ser dita ao público contribuinte: o dinheiro privado a ser destinado a financiar essas concessionárias será made in BNDES ou fruto de juros de mercado?

Mais uma
A nova Secretaria de Aviação Civil (SAC) não aumenta a incerteza de quem é o responsável pelo caos aéreo no Brasil? A pergunta foi feita por Renato Poltronieri, sócio da Demarest & Almeida Advogados. Ele diz que, a menos de 1.200 dias para a Copa do Mundo, “é visível o atraso na construção ou na reforma dos  aeroportos e demais itens da infra-estrutura”. E teme que a MP 527, que criou a SAC, confunda mais que explique.

Retrato da TI
Em 2009, a receita bruta de serviços das empresas que oferecem serviços de informática no país (TI) totalizou R$ 39,4 bilhões, dos quais 43% concentrados em três produtos/serviços: desenvolvimento e licenciamento de uso de software personalizável no país (14,9% do total), consultoria em sistemas e processos em TI (14,1%) e software sob encomenda para projeto e desenvolvimento integral ou parcial (14%).
A produção nacional de software somou R$ 13 bilhões, ou 33,1% da receita de serviços de TI naquele ano. As informações estão disponíveis na Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação (PSTI) 2009.

Balanço
Há poucos dias esta coluna cobrou, das empresas que não cansaram de divulgar estarem arrecadando doações para os desabrigados da Região Serrana do Rio de Janeiro, que viessem a público divulgar quanto coletaram e o que fizeram com o que foi doado. Uma das poucas empresas que cumpriram seu papel foi a Cultura Inglesa. O balanço divulgado mostra que foram arrecadados com seus alunos R$ 24.472,31. “Com essa quantia, poderemos distribuir três máquinas de costura e mais seis kits com geladeira, fogão, máquina de lavar, mesa com quatro cadeiras, cama de casal, cama de solteiro, lençóis, toalhas, travesseiros, pratos, copos, talheres, liquidificador, ferro de passar, garrafa d”água e panela”, diz a Cultura.

Teoria e prática
Apresentar uma reflexão histórica sobre o papel do jornalismo esportivo na sociedade e ajudar a instrumentalizar os alunos com ferramentas básicas do campo e suas práticas são os principais objetivos do curso “Jornalismo esportivo: teoria e prática”, que acontece de 2 a 30 de maio, na Uerj. O curso é coordenado pelo professor Ronaldo Helal. Mais informações pelos emails [email protected] ou [email protected]

Inspiração
Num momento em que vários países sentem na carne a diferença entre adotar um projeto de desenvolvimento nacional e ser caudatário de potências em decadência, a figura de Tiradentes, assim como suas idéias, merece um olhar mais atento e aprofundado que lhe têm sido dedicado pelas lideranças nacionais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorItem menos importante
Próximo artigoPró-usineiro

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.