Kirchner, o emblemático

Além das batalhas emblemáticas contra os golpistas, o cartel da mídia local, o FMI e o locaute dos ruralistas, o ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner fez do seu governo um caso paradigmático contra o imobilismo político. Enquanto em outras plagas, políticos que mudam para vencer em lugar de vencer para mudar alegam a impossibilidade de realizar mudanças profundas num único mandato, para justificar sua adesão aos paradigmas conservadores, Kirchner, em apenas quatro anos, tirou a Argentina da depressão, recolocou o país na trilha do crescimento continuado na faixa de dois dígitos e deu passos importantes para a reindustrialização argentina. Por seu exemplo, fará falta ao seu país e à América Latina, bem como a todos lutadores sociais do mundo.  

Machismo
A morte de Kirchner expôs, mais uma vez, o preconceito machista dos setores mais conservadores, principalmente da mídia financista, em relação à presidente Cristina Kirchner. Embora Néstor tivesse papel destacado no governo – como era natural num líder da sua estatura – e fosse o principal candidato a sua sucessão, rebaixar Cristina a mera mulher de ex-presidente, além de preconceituoso, é tentar apagar toda a sua longa trajetória, com destacada atuação na política, inclusive, nos debates no Senado.  

Alunos decepcionam
“Tenho 74 anos e fui professor da Dilma e do Serra. Pelo nível dos debates entre os dois candidatos, fico em dúvida sobre se escolhi a profissão correta.” O desabafo foi feito pelo economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES, em palestra comemorativa dos 80 anos da Faculdade de Economia da Uerj.

O chefe
Lessa comentou também a repercussão da declaração do ministro da Fazenda, Guido Mantega, para quem o dólar deveria estar em R$ 2,60, para evitar conseqüências nefastas à competitividade da produção nacional: “Pensei que ia ser uma bomba para o mercado, mas ninguém levou a sério. Nada aconteceu. O presidente continuou sendo o Meirelles (Henrique Meirelles, presidente do BC)”, disse, frisando que a questão chave para o Brasil é a autonomia do BC.

Capital humano
O Estado do Rio de Janeiro tem três faculdades de Geologia, mas, até pouco tempo, não havia nenhum geólogo na Serla. A comparação foi feita, no mesmo evento, pelo professor Ernani Chaves, da Uerj, no debate “Caminhos para o desenvolvimento”. Chaves destacou, ainda, que, se a cidade do Rio aspira a ser a capital do petróleo na América do Sul, precisa ter planejamento e investimento em infra-estrutura e entretenimento para atrair o seleto público do setor.
Outro debatedor, Mauro Osório, da UFRJ, acrescentou que a TurisRio tem só quatro técnicos formados na área: “Somente agora, o estado começou a fazer concursos”, salientou.

Tabelinha
Fascinados por futebol, os presidentes do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, e da Bolívia, Evo Morales, participaram de uma equipe que enfrentou um time profissional iraniano. A partida terminou empatada, em 4 x 4, com um gol marcado por Ahmadinejad após tabela com Morales. O resultado foi decidido nos pênaltis, sendo vencida, por 8 x 6,  pela equipe dos dois presidentes. A programação faz parte da visita de Morales ao Irã, na segunda vez que vai àquele país desde que chegou à presidência. O Irã estuda investir quase US$ 290 milhões na Bolívia, principalmente na indústria têxtil e na exploração de minérios.

Verdadeiro temor
Diante do derretimento do dólar em relação ao real e do consequente agravamento das contas externas, o presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon-RJ), João Paulo de Almeida Magalhães, alertou que, sob risco de desidustrialização, o Brasil em vez de comemorar, de “maneira ufanista”, sua inclusão, ao lado de China, Índia e Rússia, no Bric, deveria se preocupar em não ser expulso do grupo.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCidade sem luz
Próximo artigoJogos importados

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.