Ladeira abaixo

As vendas reais da indústria fluminense tiveram queda acima de 15% em julho, na série com ajuste sazonal, fortemente influenciada pelo setor metalúrgico. O mercado de trabalho, no entanto, apresentou comportamento oposto e manteve o processo de expansão, com alta de 0,6%. Os demais indicadores serão divulgados pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) nesta segunda-feira.

Às ruas
O impasse em que se encontram as CPIs – particularmente, a CPI-mãe, a dos Correios – não se deve, centralmente, às tentativas privadas de apropriação da fama trazida pelas investigações. Este é fenômeno inerente à luta política e proporcional à incapacidade de atores de irem ao fundo das questões-chave. Na verdade, o objeto que permeia as três CPIs caberia a uma única comissão, a da Corrupção, que o PT tentou, sem o entusiasmo da mídia “chapa branca”, emplacar durante o longo mandato de FH. Os fatos já expostos, porém, apontam para questão muito mais candente que uma espécie de campeonato de segunda divisão moral entre o roto e o esfarrapado. A necessidade premente da CPI é dissecar a corrupção institucionalizada nas relações entre os agentes privados e o Estado, beneficiadas por setores enquistados na máquina estatal.
Essa tarefa, no entanto, está longe do alcance – e do interesse – da principal força motora que comanda o ritmo e a direção das CPIs: a mídia acumpliciada com os principais beneficiários. Impedimento semelhante limita a atuação dos agentes coadjuvantes e executivos da CPI:  PT, PSDB e PFL. O primeiro, à procura de acordos que minimizem as perdas, conta com o interesse dos segundos de restringir as investigações a um ponto que torne competitivos seus candidatos a 2006. Para desatar esse nó, é preciso que os movimentos sociais e as personalidades comprometidos com uma democracia mais efetiva levem a discussão sobre a corrupção produzida pela privatização do Estado às ruas.

Espécie em extinção
O economista do Banco Mundial Branko Milanovic, que acaba de lançar o livro Worlds Apart: Measuring International and Global Inequality (Mundos separados: medindo a desigualdade internacional e global), mostra que a classe média está encolhendo. Entre 1960 e 2000, quase todos os países de renda média retrocederam para a classificação de pobres, enquanto o clube dos ricos se tornava quase exclusivamente ocidental: “Enquanto, em 1960, havia 41 países ricos – dos quais 19 eram não-ocidentais -, em 2000 havia apenas 31 países ricos e apenas nove deles eram não-ocidentais. A América Latina e o Caribe, provavelmente, pela primeira vez em 200 anos, não tinham um único país que fosse mais rico que o mais pobre país da Europa Ocidental.”
A classe média está se tornando uma espécie ameaçada de extinção em todo o mundo, informa o boletim Solidariedade Ibero-americana: mais de 77% da população mundial pode ser considerada pobre, com uma renda per capita inferior à do Brasil, contra 16% de ricos, considerando uma renda per capita acima da de Portugal; o que deixa para a classe média apenas 7% da população do planeta.

Clube fechado
Em 2004, o mundo tinha 587 bilionários que controlavam uma riqueza total de US$ 1,9 trilhão, três vezes mais que o PIB do Brasil e equivalente à quinta parte do PIB dos EUA. A dinheirama é suficiente para pagar pelo trabalho da terça parte da força de trabalho mundial que recebe menos durante um ano.

Globalizados
Segundo o Banco Mundial, em 2001, 2,7 bilhões de pessoas, mais que a metade da população dos países em desenvolvimento, viviam com menos de US$ 2 por dia. Em 2004, 852 milhões de pessoas padeciam de fome crônica, 15 milhões a mais que no ano anterior. Mais de 600 milhões de crianças não tinham lares adequados e 4 mil morriam diariamente em decorrência da falta de água tratada e saneamento adequado.

Sobe e desce
Confirmando a previsão desta coluna na véspera, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), depois da forte alta de quinta-feira, fechou o último pregão da semana em queda. A coluna esclarece, porém, não operar com bola de cristal menos enferrujada do que as usadas pelas equipes econômicas em suas fracassadas quiromancias. Nossa análise se limita a respeitar os dois únicos princípios que guiam o mercado financeiro em todo o mundo: especular e  ganhar dinheiro, independentemente das tentativas de racionalização dos analistas-operadores.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGangorra
Próximo artigoAdestramento

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais