Ladeira abaixo

O financiamento oficial para ciência e tecnologia nos Estados Unidos não tem aumentado, em termos reais, desde 1995. Agrava o quadro a dificuldade em pesquisadores entrarem nos EUA desde o 11 de Setembro. As restrições impostas para a obtenção do visto de trabalho H1B a profissionais altamente qualificados “têm negado ingresso no país de cérebros privilegiados oriundos de vários rincões do planeta”, destaca o conferencista especial da Escola Superior de Guerra (ESG) Manuel Cambeses Júnior. “Embora a boa qualidade de suas universidades tenha se preservado, o nível médio educacional vem perdendo, sistematicamente, competitividade em nível internacional”, lamenta.

Sem bolha
“O Brasil não vive uma bolha de consumo, embora seja intenso o desenvolvimento do crédito”, analisa o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) sobre a ampliação dos empréstimos no Brasil. Ressalta a entidade que, numa típica bolha de crédito e de consumo, o financiamento perde referência com a renda. “Isso é fruto da concorrência bancária. Significa que na medida em que o crédito evolui e amplia o poder de compra da população, vai sendo perdida a referência à renda que lhe devia servir de base, de forma que passa a residir na própria disposição das instituições de financiamento de não interromperem a trajetória do crédito a condição de continuidade do processo.”
No caso brasileiro, foi a evolução da massa real de rendimentos da população que propiciou o aumento do crédito. A taxa de inadimplência tem sido na média de 2011 a mais baixa jamais registrada no país, diz o Iedi. “Nossos cálculos indicam que o endividamento (dívida/renda anual) das pessoas físicas passou de 21,8% para 36,6% de dezembro de 2006 a maio de 2011, o que, no entanto, não foi acompanhado de correspondente maior comprometimento da renda mensal, que passou de 20,8% para 22,4% no mesmo período. Além do maior rendimento real das pessoas, os prazos de financiamento mais dilatados explicam a preservação da capacidade de honrar as dívidas.”

Só especulação
Uma típica bolha de crédito está associada a hipervalorizações de ativos, o que não estaria acontecendo no Brasil. “O crédito aqui também não pode parar porque sua sustentação – a valorização dos ativos – cairia junto. O Brasil assiste a um forte aumento dos preços dos imóveis, mas não há nem sombra de uma bolha já que o financiamento imobiliário é baixo – representa cerca de 4% do PIB”. Uma mega especulação imobiliária explica a valorização nesse setor, diz o Iedi.
Como disse no MM o economista Carlos Thadeu de Freitas, “com esses juros não há como ter bolha de crédito”.

Modesto
Os financiamentos para as famílias, em maio último, alcançavam 15,4% do PIB, frente a 10,9% do PIB em maio de 2007. A evolução é, em média, de 18% nos últimos três anos em termos reais, mas ainda assim o percentual em relação ao produto interno é baixo quando comparado a outros países. Apesar da análise, o Iedi alerta pode haver problemas se os financiamentos perderem a referência à renda pessoal. “Por isso, são importantes as medidas macroprudenciais na área do crédito”, finaliza.

Keynes
Entre 3 e 5 de agosto, no Instituto de Economia da UFRJ, na Praia Vermelha, a Associação Keynesiana do Brasil (AKB) realizará seu IV Congresso Internacional. A crise financeira na Europa e as estratégias de Keynes para superação de crises estão entre os principais debates do programa. Entre as atrações internacionais, destacam-se Álvaro Gallardo, da Universidad Colegio Mayor de Cundinamarca, e Matías Vernengo (University of Utah) e Pedro Leão (Universidade de Lisboa). Entre os brasileiros, estão debatedores conhecidos dos leitores do MM, entre eles André Modenesi, Luiz Fernando de Paula, Fernando Ferrari e Franklin Serrano, todos integrantes da AKB.

Chororô
As siderúrgicas brasileiras andam chorando suas pitangas, reclamando de baixo retorno nas vendas para o mercado interno. Difícil acreditar, considerando que não somente o aço chinês é mais barato que o nacional – apesar de sermos os exportadores de minério de ferro, mas até o aço coreano chega ao Brasil (CIF, ou seja, com todos os custos incluídos) 37% mais barato que o produto vendido por Geradau, Usiminas ou CSN.

Artigo anteriorVelocidade mortal
Próximo artigoDívida eterna
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.