Lagoão

O Governo do Estado do Rio de Janeiro iniciou seu descolamento (para usar termo na moda) do Piscinão de Ramos. Não que tenha decidido abandonar a obra, mas sim o nome pela qual passou a ser conhecida, usado inclusive pelos membros da administração estadual. Desde o último fim de semana o governo só se refere ao Piscinão como Lagoa da Praia de Ramos. Esta coluna se aventura a apontar alguns dos motivos que podem ter levado a essa mudança no marketing de Ramos: a obra já estava começando a ser conhecida como “Pinicão de Ramos”, por causa da quantidade de coliformes encontrados na água; como piscina, o índice de contaminação deveria ser zero, ao contrário do que ocorre em praias; marcar a diferença com os “piscinões” que o prefeito César Maia pretende construir.

Falange no BB
O jornal britânico The Guardian conta que Elie Hobeika, ex-líder de uma milícia cristã que foi morto em ataque a bomba contra sua casa no Líbano, foi funcionário do Banco do Brasil. Hobeika foi “uma das figuras mais controvertidas do Líbano”, diz a publicação, e sua morte, aos 45 anos, ocorreu pouco depois de ele ter concordado em depor contra o premier de Israel, Ariel Sharon, num tribunal de crimes de guerra que pode ser aberto este ano na Bélgica. Nascido em Kleiat, na província libanesa de Kesrwan, Hobeika deixou a escola depois de concluir seus exames e entrou para o Banco do Brasil, em 1978; naquela época ele já era uma estrela em ascensão dentro das Falanges, como eram conhecidas as Forças Cristãs Maronitas Libanesas. As informações são do sítio Global Press, dos correspondentes estrangeiros no Brasil.

Duas visões
É impossível não comparar o salto no número de participantes previsto pela organização do Fórum Social Mundial (FSM), de 20 mil, no ano passado, para 60 mil, com o cada vez maior isolamento amargado pelo Fórum Econômico Mundial. A começar pela emblemática mudança, anunciada inicialmente como provisória, de Davos, na Suíça, para Nova York, onde a administração Bush conta com melhor cobertura militar para evitar que os participantes ouçam a voz rouca das ruas.

Paradigma
Cerca de 2.400 anos depois de seu nascimento, o filósofo grego Platão, nascido no ano de 427 AC, é o autor mais citado nos livros de comunicação de todo o mundo. Em segundo lugar, ficou Aristóteles. A revelação, constatada em pesquisa, foi feita pelo professor Muniz Sodré, da Faculdade de Comunicação da UFRJ, em entrevista, à edição de janeiro, ao sítio Comunicação, Cultura e Política (http://sites.uol.com.br/denisdemoraes). Sodré enxerga no resultado a confirmação de que as raízes da comunicação estariam na filosofia: “A questão da comunicação vai desde a amizade política até a retórica, que é uma técnica política de linguagem. É a questão da mídia que está na Grécia, já. Passa pelos romanos e, depois, ficou muito adormecida na história do pensamento. É depois da guerra, já no século XX, que isso explode com a chegada dos meios de comunicação. Mas quando se vai pensar radicalmente sobre o assunto, pensar profundamente sobre o assunto, você encontra Platão.” O debate sobre os rumos da comunicação, no entanto, está longe de ser consensual na própria academia.

Artigo anteriorMundo cão
Próximo artigoPassivo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

S&P aumenta nota de crédito da Petrobras

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings (S&P) elevou a nota de crédito da Petrobras. A nota de crédito stand-alone (risco intrínseco)...

Movida supera as expectativas e ações sobem 8%

A Movida, empresa de locação de veículos, gestão e terceirização de frotas e vendedora de semininovos, reportou lucro líquido ajustado de R$ 174 milhões...

Como empresas familiares sobreviveram à pandemia

As empresas familiares da América do Sul foram significativamente afetadas durante a pandemia, sendo duas as variáveis mais afetadas: receitas de vendas e folha...

BNDES financia Norflor no combate ao efeito estufa

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concederá financiamento será concedido à Norflor Empreendimento Agrícolas no valor de até R$ 27,4 milhões,...

Uma criptomoeda 100% brasileira

Uma parceria entre as startups Stonoex e AMZ viabilizou o lançamento da criptomoeda brasileira ZCO2. É uma criptomoeda que prevê a proteção da Amazônia...