34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Lanterna

A Ford Motors, sozinha, investe 35% a mais em pesquisa e desenvolvimento do que todas as empresas brasileiras juntas. A informação foi dada, esta semana, por Ernesto Cavasin, da consultoria PricewaterhouseCoopers, ao participar do I Seminário Inovação e Empresa, promovido pela Câmara Oficial Española de Comercio en Brasil. Segundo Cavasin, dos países integrantes dos Brics (Brasil, China, Rússia e Índia), o Brasil é o que menos investe em pesquisa e desenvolvimento.

Sem valor agregado
Responsável por quase 2% do produto interno bruto (PIB) mundial, o Brasil, de acordo com Cavasin, detém somente 0,2% das patentes mundiais e investe 1% do PIB – cerca de US$ 12 bilhões anuais. Desse total, só 40% são aplicados por empresas privadas.  Embora o país tenha registrado avanços com a Lei da Inovação, que criou incentivos fiscais para pesquisa e desenvolvimento no setor privado, quase 65% das empresas brasileiras desconhecem, não entendem ou não têm capacidade de acesso a esses incentivos e 90% delas têm pouco ou nenhum conhecimento sobre as atividades dos órgãos de fomento de P&D, salientou Cavasin.

Pulo de 30
O deputado estadual Paulo Ramos (PDT-RJ) quer saber da Brascan o motivo da grande diferença entre o preço pago pela hipoteca dos apartamentos do condomínio Waterways, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e o preço de revenda, pago pelos moradores. “Os imóveis foram comprados por aproximadamente R$ 100 mil cada, mas foram revendidos por até R$ 3 milhões.” Ramos preside CPI da Alerj que investiga a venda de imóveis a preços abusivos e em regiões que ainda não possuem o registro de imóveis. Nesta terça-feira, ele ouvirá o presidente da Brascan Imobiliária, Marcos Levy, o titular do 10º Ofício de Notas, Cláudio Mendonça, e o titular do 24º Ofício de Notas, José Mário Pinto.

Mais da metade
Até 18h30 de sexta-feira, o Dia Nacional da Conciliação contabilizava a realização de 50.714 audiências em todo o país, com acordos em 53,66%. Ao todo, 56 tribunais estaduais, federais e trabalhistas participam dos mutirões de conciliação, em 550 cidades.

Acordo
A Comissão de Conciliação Prévia (CCP) da construção civil do Rio superou a marca de R$ 16 milhões em acordos trabalhistas, em 11 mil sessões realizadas, de 12 de junho de 2000 até esta sexta-feira, Dia Nacional da Justiça, que destacou a conciliação. Segundo dados do sindicato das indústrias (Sinduscon-Rio), das 24.920 sessões convocadas, 47% foram realizadas, sendo que 9.728 (82%) terminaram em acordo entre empregados e empresa, com o valor médio da indenização chegando a R$ 1.709.

LER
Duas digitadoras receberam 50 salários mínimos de indenização por danos morais de uma empresa de call-center. Elas desenvolveram Lesão por Esforço Repetitivo (LER). De acordo com o advogado das vítimas, João Tancredo, era previsível que as mulheres adquirissem a doença, pois exerciam sua atividade sem os intervalos necessários, atuando em condições hostis para a saúde. As trabalhadoras ganharam, também, pensão de 100% do valor que recebiam na época, 13º salário e férias.

Bombeira
A senadora Heloísa Helena (PSOL-AL) viveu uma situação incomum, quinta-feira. Diante da revolta dos passageiros com o caos no Aeroporto de Brasília e à ausência de informações das empresas aéreas, a senadora foi convidada pela polícia para tentar acalmar os ânimos: “Agora, imagine eu sendo chamada para acalmar as pessoas”, relatou a senadora, provocando risos em quem assistia à TV Senado.

Sem lei
Sete em cada dez cariocas consideram a cidade insegura; 60% não confiam na Polícia Militar; 40% já foram vítimas de algum problema com a PM; 80% consideram inadequado o policiamento ostensivo da cidade; e 70% têm saído cada vez menos de casa para lazer. Estes são alguns resultados de pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas e Estudos de Turismo da UniverCidade e o Centre International de Recherches et Etudes Touristiques, sobre a percepção da população que mora no Rio sobre a segurança da cidade. A pesquisa, coordenada pelos professores Bayard Boiteux e Mauricio Werner, ouviu 600 moradores da cidade. Outros dados: 80% dos entrevistados alegam que a Zona Sul recebe melhor atenção da polícia e 70% alegam que o policiamento noturno é inexpressivo.

Artigo anteriorJabuticaba
Próximo artigoSobe e desce
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.