Latinos apoiam políticas sociais e direitos trabalhistas

A pesquisa Intal-Latinobarómetro, feita com mais de 20 mil cidadãos de 18 países da América Latina, mostra que as políticas sociais são prioridades para os habitantes da região. O combate à pobreza e melhoras na igualdade e na inclusão são os temas mais relevantes para 51% dos entrevistados. O percentual salta para 66% no Chile, 65% na Venezuela e 62% no Paraguai. Em cinco países da América Central (Guatemala, Honduras, Nicarágua, República Dominicana e El Salvador) a opção cai para entre 30% e 41%.

A informalidade no trabalho é um grave problema para os cidadãos latinos, segundo o Instituto para Integração da América Latina e Caribe (Intal) do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A pesquisa mostra que 46% está de acordo com a hipótese de pagar mais por produtos feitos por empresas que respeitem os direitos trabalhistas (no estudo anterior, era 41%). Paraguai (71%), Venezuela (63%) e Nicarágua (62%) são os países onde mais desponta o apoio à proposta.

Travado

A campanha salarial dos trabalhadores de TI do Estado São Paulo chegou à segunda rodada de negociação, mas a possibilidade de acordo entre patrões e empregados ainda está muito distante, avalia o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação. Durante a reunião ocorrida nesta quinta-feira (19), na sede do Sindpd, o sindicato dos empresários (Seprosp) apresentou uma contraproposta de reajuste salarial ainda distante da reivindicação dos trabalhadores.

A primeira oferta havia sido de 3,5% com um abono de 10% a ser pago em outubro, elevada agora para 4% com abono de 15% previsto para o mesmo mês. O Sindpd refutou a contraproposta, por entender que ela não cobre as perdas salariais causadas pela inflação do ano passado, que fechou em 6,58%, segundo o INPC.

Em uma inflação de 6,5%, não há como pensar em negociar com alguma coisa que comece abaixo da inflação. Não é possível”, salientou o presidente do Sindpd, Antonio Neto. A entidade dos trabalhadores apresentou uma nova proposta aos patrões, prevendo a correção total do INPC acrescida de 2% de aumento real, ou seja, 8,58% de reajuste.

Apagão

A Argentina solicitou nesta sexta-feira mais de 1.000MWh de energia ao Brasil, em caráter de emergência. Realizadas pela Tradener, comercializadora de energia, as operações exportarão 500 MWh até domingo e mais 1.000 MWh segunda e terça-feira.

Mais desastres

Mais de 300 catástrofes naturais geraram perdas econômicas de US$ 210 bilhões, o maior valor desde 2013. As inundações responderam por quase 30% de todos os danos, mostra o relatório “2016 Annual Global Climate and Catastrophe Report”, da AON, analisando desastres e eventos climáticos no ano passado.

O prejuízo segurado foi de US$ 54 bilhões – 8% acima da média da média histórica de US$ 50 bilhões, o que equivale a 26% das perdas econômicas globais. O evento mais dispendioso para a indústria de seguros foi o terremoto no Japão (US$ 5,5 bilhões), seguido pelo furacão Matthew, no Caribe e Estados Unidos (US$ 5 bilhões).

Raio X

Começou na terça-feira e vai até 17 de março o prazo para entrega de dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) ao Ministério do Trabalho. O documento informa dados precisos sobre os trabalhadores. É também com base nessas informações que o governo sabe quem tem direito ao abono salarial do PIS/Pasep.

A conselheira do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) Sandra Batista alerta para o fato de que as multas podem ser pesadas para quem não entregar as informações no prazo. “É preciso ficar atento, realizar os procedimentos de controle e de validação para garantir a segurança dos dados informados e mitigar o risco da perda do prazo e da inexatidão da informação”, afirma.

Rápidas

A história da transformação urbana da capital paranaense está no livro Curitiba, o fazimento de uma cidade, escrito pelo jornalista Marcelo Oikawa, a partir do depoimento do arquiteto e urbanista Rafael Dely. O lançamento será nesta segunda-feira, na Livraria Curitiba no Shopping Estação, às 19h *** De 9 a 10 de março, ministros de energia, empresas reguladoras e chefes de serviços essenciais do México, Chile, Argentina, Guatemala, Brasil e Peru estarão com investidores de energia em Washington D.C., no Fórum de Energia das Economias em Desenvolvimento da América Latina, para discutir oportunidades de parcerias em projetos do setor *** A Abimaq realizará nesta segunda-feira o curso Interpretação e Formação do Sistema de Gestão Ambiental. O evento é direcionado a profissionais interessados em conhecer os requisitos e conceitos básicos da norma e capacitar-se como usuário do Sistema de Gestão. Será na sede da entidade (Avenida Jabaquara, 2925 – São Paulo – SP, próximo à Estação São Judas do Metrô). Inscrições pelo site www.abimaq.org.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Vacinas vendidas por até 24x o custo de produção

Aliança denuncia altos lucros dos laboratórios.

Energia rara e cara

Modelo equivocado colocou Brasil entre os campeões de tarifas elevadas.

União perde bilhões de dólares no petróleo

Lei isentou campo mais produtivo de pagamento de participações especiais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Startup lança campanha para reinventar a forma de consumir beleza

Site voltado aos cuidados da mulher lança a ação "Meu corpo, minha campanha".

Três Poderes sem reunião

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, anunciou nesta quinta-feira o cancelamento de uma reunião entre os chefes dos três Poderes (Executivo,...

BTG Pactual está em todas

A Eneva S/A deve comprar o Polo de Urucu, a maior reserva terrestre de gás natural, localizada na Bacia dos Solimões, no Amazonas. Segundo...

Corrida atrás de seguro rural para a próxima safra

Enquanto órgãos oficiais recalculam as estimativas para a safra brasileira de grãos na atual temporada, produtores fazem as próprias contas do tamanho do prejuízo...

Brasilcap fecha 1º semestre de 2021 com faturamento de R$ 2,1 bi

Empresa de capitalização da BB Seguros completou 26 anos.