Leilão da CEEE-T acontece nesta sexta-feira na B3

O leilão de alienação das ações ordinárias e preferenciais da Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-T), do Rio Grande do Sul, se realiza nesta sexta-feira, a partir das 11 h, na B3. Os estudos, modelagem da privatização e avaliação da companhia têm a coordenação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

As ações representam 66,08% do capital social total da CEEE-T, de titularidade da Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações (CEEE-Par), e serão leiloadas em lote único, com valor mínimo estipulado em R$ 1,7 bilhão. A empresa é responsável pela operação e manutenção de mais de 6 mil km de linhas (5.900 km próprios) e mais de 15.700 estruturas de transmissão (quase 15.300 próprias) que cobrem todo o Estado do Rio Grande do Sul, com um total de 69 subestações que somam potência instalada própria de 10.513 MVA.

Os estudos para o leilão foram supervisionados por equipes do governo do Rio Grande do Sul, com participação de técnicos da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), Secretaria do Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), Secretaria da Fazenda (Sefaz) e Procuradoria-Geral do Estado (PGE).

Artigos Relacionados

Nova versão do Manual de Procedimentos Operacionais da Câmara B3

Entrarão em vigor, em 2 de agosto, as novas versões do Manual de Procedimentos Operacionais da Câmara B3 e do Manual de Administração de...

CVM firma convênio com Secretaria Geral da Marinha

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Secretaria Geral da Marinha (SGM) assinaram Convênio de cooperação. O acordo, divulgado nesta quarta-feira busca disseminar...

Consulta sobre estudo relacionado à atividade de certificação

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) iniciou nesta quarta-feira consulta pública sobre o relatório preliminar da análise de impacto regulatório (AIR)...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Os ventos estão mudando

Por Afonso Costa.

Afeto e arte no Rio de Janeiro

Obrigado a todos que contribuíram para uma análise sensorial da vida pandêmica