Leilão do 5G abre novas possibilidade para o setor de utilities

Por Frederico Correia.

O Ministério das Comunicações confirmou que o leilão do 5G será realizado em novembro. Embora muito se fale sobre os espectros que serão adquiridos pelas operadoras, há duas faixas – 2,6 GHz e 3,5 GHz – que serão dedicadas às chamadas redes privadas. São essas que têm gerado profundo interesse do setor de utilities e que, uma vez em operação, devem ter enorme impacto no segmento.

Isso porque, a partir da criação de redes privadas – 5G ou LTE – as empresas do setor poderão ampliar, e muito, sua eficiência operacional, com um crescimento significativo do uso de aplicações e soluções baseadas em Internet das Coisas (IoT, em inglês). Aqui falamos especificamente destas soluções para a captura de informações e automação de atividades.

Não que elas já não existam. Nós mesmos, aqui na Logicalis, já implementamos smart grids, as chamadas redes inteligentes, para empresas do setor com o uso de outras tecnologias. A questão é que estas não evoluíram na velocidade que seria possível. Com o uso efetivo de redes privadas, a expectativa é de criação de novas possibilidades para o setor, que deverá avançar tremendamente em suas jornadas de transformação digital e na implementação de tecnologias de sensoriamento e automação.

Dentro dos segmentos que subdividem o setor, geração, comercialização e distribuição, este último é o que tem demonstrado muita força no desenvolvimento de smart grids. Isso tem ocorrido em duas frentes:

  • AMI (Advanced Monitoring Infrastructure), que é o que viabiliza a leitura de consumo ou geração de energia, ou ingresso de energia para dentro do grid, permitindo aos distribuidores enxergar isso em tempo real;
  • DA (Distributed Automation), que automatiza a ligação, desligamento e religação de circuitos, já com soluções existentes para isso, minimizando o trabalho manual.

A questão é que com as tecnologias de transmissão existentes, nenhuma das soluções desenvolvidas para estas frentes apresentam o grau de confiabilidade ou abrangência desejada. Com o que temos hoje, se há uma queda de energia as torres celulares podem cair ou ficam sobrecarregadas, prejudicando a transmissão de dados. Em muitos destes casos, as distribuidoras tentam fazer a religação remota e não conseguem, podendo sofrer sanções.

Com as faixas exclusivas para redes privadas, essas empresas terão a possibilidade de construir suas próprias redes, trazendo confiabilidade às transmissões e permitindo acordos de nível de serviço bem ajustados. As redes de AMI ou DA destas empresas ganharão eficiência operacional e abrangência geográfica, porque elas terão visibilidade da rede e conseguirão responder a eventuais incidentes proativamente e, ao mesmo tempo, evitarão penalidades por não cumprimento de SLAs.

A tendência é que, com o espectro reservado pela Anatel para as redes privadas, todas as empresas do setor construam suas próprias redes e, sobre elas, desenvolvam soluções ou acelerem sua jornada de transformação digital e gerem novos negócios. Afinal, a Internet de alta velocidade – aliada à alta densidade de dispositivos e à robustez proporcionadas pelas redes 5G – será a plataforma para novos modelos de negócio, que em breve estarão em operação, e são as mudanças na camada técnica que permitirão a implementação desses modelos.

 

Frederico Correia é arquiteto de soluções para vertical de Utilities na Logicalis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

11 de Setembro, 20 anos do engodo que enredou o mundo

Por Pedro Augusto Pinho.

Últimas Notícias

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...