27.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Lentes róseas

O florescimento de análises róseas sobre o fim iminente da crise e da superestimação de sinais que apontariam para uma suposta desaceleração da recessão mundial confirmam a dificuldade de os homens mudarem os modos de pensar mesmo em tempos de efervescência. Além de tímida, insuficiente e inconsistente, a melhora dos indicadores a que se agarra o polianismo contemporâneo tem mais a haver com vontades desejosas que com análises sólidas sobre o estágio da crise. Também revelam uma visão compartimentada sobre esses processos, como se fossem movimentos lineares e homogêneos. Ora, o que caracteriza a crise é justamente o imprevisto, o que inclui solavancos, fases de calmaria e retomada mais forte das turbulências. Mas a riqueza e a complexidade desses momentos parece pouco escapar aos defensores dos velhos paradigmas.

Dinossauro
Uma das principais causas da persistência da crise é que detentores dos processos decisórios mundiais não têm a mais vaga idéia sobre que destino dar aos trilhionários ativos tóxicos dos bancos. Sem tirar esse gigantesco dinossauro da mesa –  o que, provavelmente,  resultará num grau maior ou menor de calote – qualquer previsão sobre o fim da recessão fica no campo da ficção.

Querem reescrever a História
Depois da natimorta ditabranda, a neohistoriografia da ditadura militar produz a figura do “talvez tenha sido dedo duro, mas o homenageamos mesmo assim”. Se colar, talvez sintam-se incentivados a produzir o personagem do “torturador patriota”.
O mais curioso é que essa tentativa de releitura da história une os que abertamente militaram, simpatizaram ou usufruíram das benesses do golpe e alguns que, no presente, sentem-se incomodados com o próprio passado de combate ao regime ou, ao menos, tentam restringi-lo a um momento muito específico e esgotado em si mesmo, sem vínculos com os antagonismos contemporâneos.
A releitura do passado nunca é uma operação neutra, nos ensinam os historiadores. Por isso, a apropriação da memória do golpe, não raro, também tem objetivos contemporâneos. Ao buscar esvaziar de sentidos os dois pólos que se constituíram a partir do golpe, as novas narrativas acalentam o sonho de desidratar o conteúdo das demandas dos que se mantiveram no bom combate com a redemocratização e, essencial, a partir da instauração da ditadura neoliberal, nos anos 90.
No entanto, tanto durante a ditadura, quanto na luta contemporânea contra o neoliberalismo nas suas variadas matizes, sempre existirá o contraditório. Não importa que, antes, sufocado pela tortura e pela censura, e, agora, pelas tentativas de desqualificação. Assim, como os instrumentos do autoritarismo foram insuficientes para evitar que os brasileiros se insurgissem contra o regime, também, a mistificação sobre “consenso” a respeito da política econômica não impediu que o Brasil fosse jogado à recessão, abrindo espaço cada vez mais largo para colocar em xeque os incensados “bons fundamentos” que mantiveram o país crescendo a pouco mais de 2% ao ano, em média, e um pouco mais, quando a bolha do novo desenvolvimento mundial encontrava-se prestes a estourar.
Em outras palavras, a História não apenas não acabou, como tende, com o tempo, a cada vez mais decantar as posições dos antagonistas.

Para entender a economia
A diversidade de indicadores e análises macroeconômicas que se vê diariamente nos jornais oferece uma série de interpretações. Para viabilizar um entendimento crítico dos fatos econômicos, o Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon-RJ) organiza o curso “Para entender a conjuntura econômica”. Programado para começar dia 29, o curso se destina a estudantes e profissionais de economia, jornalistas, administradores, contabilistas, entre outros. Serão 30 horas-aula, divididas em dez aulas de três horas cada. Mais informações em www.corecon-rj.org.br http://www.corecon-rj.org.br/ ou pelo telefone (21) 2103-0119.

Radar
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apresenta, nesta terça-feira, às 10h, na sua sede em Brasília, seu quinto Sensor Econômico, referente a maio. Lançado em fevereiro, ele visa a captar, mensalmente, as expectativas econômicas e sociais do setor produtivo, funcionando como um termômetro. O Sensor reflete as perspectivas de 115 entidades de indústria, agropecuária, serviços e comércio e trabalhadores – representando   80% do PIB. A apresentação do indicador será seguida de mesa-redonda sobre as “Perspectivas da Economia Brasileira para 2009 e 2010”, com a presença do presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e representantes do setor produtivo.

Artigo anteriorGripe neoliberal
Próximo artigoNem a mãe
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.