Letra morta

A pouco mais de dois meses para o fim do ano, o governo liberou menos de 20% do Orçamento aprovado pelo Congresso Nacional. O objetivo, a exemplo de anos anteriores, é atingir, a qualquer custo, o superávit primário (exclui gastos com juros) este ano de 3,5% do PIB exigido pelo acordo com o FMI. As conseqüências desse comportamento, noves fora o desprezo revelado pelo parlamento, pode ser sentido por qualquer brasileiro, economista ou não, nas ruas do país diante do aumento da violência, da degradação da saúde, da educação e muitos outros etc.
Reduzido desde o início do interminável reinado tucano a apêndice do Executivo, o Legislativo ameaça esboçar uma reação. Integrante da Comissão Mista de Orçamento do Congresso, o senador Amir Lando (PMDB-RO) promete convocar os ministros da área econômica para se explicarem pelo contingenciamento arbitrário de recursos.
A conferir
Lando salienta, porém, que a tesoura da equipe econômica não é aplicada igualmente a todas rubricas. Segundo o senador, ao mesmo tempo em que reduz gastos sociais, a proposta de Orçamento do governo para 2002 prioriza o pagamento dos serviços das dívidas interna e externa: “Isso já ocorreu com os Orçamentos de 2000 e 2001”, relembra Lando, denunciando a interferência do FMI nos orçamentos do país desde o acordo firmado com o país em 1999. O presidente da Comissão de Orçamento, senador Carlos Bezerra (PMDB-MT), também se diz insatisfeito com o corte de recursos para a área social e propõe ampliar o perfil da dívida, além de sugerir novas fontes de receita para 2001. Resta saber se, desta vez, com a eleição batendo às portas, o Congresso vai levar à prática sua ameaça de retomar sua autonomia.

Lucro máximo
Responsável pela organização do concurso para a Petrobras, realizado no fim de julho, a Cespe resolveu repassar seus custos para os candidatos. Além de não garantir a entrega de manual para todos inscritos, a empresa não enviou confirmação do dia da prova, obrigando os candidatos a consultar o Diário Oficial da União, a Internet ou buscar informação no campus da Universidade de Brasília (UnB), embora o concurso fosse nacional. Se era para economizar tanto, bem que a taxa de inscrição poderia ser menos salgada que os R$ 50 desembolsados pelos candidatos.

Jader
O deputado Babá (PT-PA) promete entrar nos próximos dias com ação civil pública junto ao Ministério Público pedindo investigação sobre a desapropriação de terras no Polígono dos Castanhais, no sul do Pará. A negociação, concretizada mediante títulos da dívida agrária (TDAs), data da época em que o Jader Barbalho era ministro da Reforma Agrária e, conforme o deputado, envolve o ex-senador com supostos proprietários das área. “Jader chegou ao Pará, depois de renunciar ao mandato para fugir de processo de cassação, se apresentando como vítima”, afirmou o deputado. Segundo Babá, o peemedebista teria mandado pintar de branco os postes das principais vias de Belém e afixado seu nome.

Caça aérea
A Sata (Serviços Auxiliares de Transportes Aéreos) é caçadora e não caça. Empresa do Grupo Varig responsável pelo atendimento a aeronaves em terra (como, por exemplo, carregamento de babagem), a Sata nega boatos de que estaria sendo negociada para a Swissport (do grupo da quase falida Swissair), que por sua vez estaria na mira da inglesa Candover. Em comunicado aos funcionários, Floriano Zinaro, presidente da Sata, ressalta que a empresa é líder com 65% do mercado da América do Sul e finaliza: “Somos compradores. A Sata não está à venda” (com direito a maiúsculas e exclamação). Para completar, a empresa da Varig conquistou o atendimento à TAP no Brasil, que era feito pela companhia suíça.
Contra-ataque naval
Para mostrar que tudo continua como dantes, a Sata anuncia a entrada num novo segmento. A partir de novembro passa a fazer atendimento a navios de turismo, como o Splendour Of The Seas e os da Linha C. O contrato foi fechado com a Píer Mauá, empresa concessionária do Porto do Rio. A operação, que se estenderá até março de 2002, consiste em embarque e desembarque de passageiros (ônibus especial) e bagagens (além dos tratores convencionais, deverão ser utilizados dois carrinhos elétricos ecológicos, que não poluem).

O “x” da questão
Não bastasse o terrorismo fundamentalista e o terrorismo de Estado, o leitor brasileiro também está sendo obrigado a conviver com o terrorismo ortográfico. Primeiro foi a dúvida sobre como escrever talibã (ou taliban, ou ainda taleban, como parecem preferir os órgãos de imprensa paulistas, em contraposição aos fluminenses, que optaram pela grafia com til); depois, a denominação de quem nasceu ou habita o Afeganistão (afegão? afegane? e o plural – afegãos, afegães ou afeganes?). Agora, surge a bactéria antraz, que alguns órgãos preferem chamar de antrax ou (como prefere uma revista paulista, mais pernóstica) anthrax. Quanto a este, a dúvida é quase nenhuma. Doença antiga que afeta o gado e é transmissível ao homem, é registrada por todos os dicionários com a grafia “antraz”. Recorrer ao grego “anthrax” é coisa de quem não conhece – ou não gosta de – português.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCabeça a cabeça
Próximo artigoMarca Brasil

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás