Letras ao vento

Praticamente todas as instituições financeiras, com exceção do Banco do Brasil, ignoram a Resolução 3.563 do Conselho Monetário Nacional (CMN) que concedeu prazo até 1 de outubro para pagamento das parcelas de dívidas de financiamento de investimento que venceriam entre 1 de abril e 30 de setembro. A denúncia é de produtores rurais ligados à Federação de Agricultura do Paraná (Faep).
Os produtores, a exemplo do que ocorreu em anos anteriores, acreditam que as parcelas têm prazo prorrogado de forma automática. Os bancos, porém, alegam que a resolução apenas autoriza a prorrogação, e não a obriga.

Os novos Maias
Quando o finado Governo Collor já fazia água pela cintura, o hoje prefeito César Maia veio a público empunhar a tese da defesa da “política econômica progressista” da então ministra Zélia Cardoso de Mello contra “a direita econômica”. Graças à generosidade habitual da mídia nesses casos, experimentou o dom da ubiquidade, aparecendo, simultaneamente, em quase todos canais de TV. A política de RP de Maia, porém, deu em nada; ele foi expulso do PDT e duramente criticado pela oposição, incluindo o PT.
Quase 20 anos depois, bastou o tímido crescimento do país, ano passado, provocar a nova escalada de juros do Banco Central, para os “progressistas” do PT e seu entorno reagirem à la César Maia. Contra a direita econômica do BC, defendem um aumento cavalar do superávit primário. Ou seja, o que divide “progressistas” e seus opositores é uma questão tática. O que os une é evitar que o Brasil continue a crescer.

“Revival”
Um dos principais defensores, dentro do Governo Lula, do aumento do superávit primário (economia para pagar juros), “em pelo menos um ponto percentual”, como suposta alternativa à alta dos juros, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo decepciona seus admiradores pela segunda vez. A primeira foi quando defendeu o Plano Collor, que confiscou a poupança. Aliás, à época, a ministra Zélia Cardoso de Mello afirmou que Belluzzo era um dos inspiradores intelectuais do plano. O que para alguns seria uma homenagem, para um economista da trajetória do professor da Unicamp passou a ser uma mancha no currículo.

Coxia
O Instituto Votorantim patrocina, pelo segundo ano consecutivo, o projeto cultural “Passageiro do Futuro”, realizado na Vila Kennedy, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Foram investidos R$ 275 mil no projeto, que capacita jovens para o mercado das artes cênicas, através de oficinas e treinamento nas áreas de cenografia, iluminação, sonorização, maquiagem, figurino, interpretação, expressão corporal e vocal. Em 2007, o Grupo Votorantim investiu R$ 44,8 milhões em projetos sociais e culturais.

Revelação
Correntistas têm tomado um susto ao receber os extratos bancários adaptados às novas regras do Banco Central, em que os bancos são obrigados a revelar o Custo Efetivo Total (CET) anual dos empréstimos. No caso do cheque especial, a taxa cobrada vai além de 180% ao ano. Antes, os bancos costumavam informar apenas a taxa mensal.

Eleição
O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, prometera “contar o que está por trás da especulação imobiliária associada a setores do estado”. Foi mais interessante o anúncio que a realidade. Em seu Ex-blog, Maia mencionou as “iniciativas” do senador e secretário-chefe de gabinete do governador, e candidato declarado a vice-prefeito do PT, como mostra da articulação entre eleição e especulação imobiliária. Disse ainda que “num ano eleitoral, fica cristalino que há uma clara relação entre a disputa pela prefeitura e a associação entre a especulação imobiliária na Zona Sul do Rio e as candidaturas empalmadas pelo Governo do Estado”. “Isso é grave! É predador!”, bradou o prefeito, que preferiu ficar só nisso.

Tijolada
Não deixa de ser irônico que denúncias contra especulação imobiliária venham de um prefeito que só teve olhos para a Barra da Tijuca, bairro em que mais se constrói no Rio.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPescaria
Próximo artigo“Out”

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.