Leva um, paga três

“A aprovação da modernização trabalhista começa a apresentar seus primeiros resultados na...

A aprovação da modernização trabalhista começa a apresentar seus primeiros resultados na geração de empregos e crescimento econômico do país.” Não, não é piada. É assim que começa nota divulgada pelo Ministério do Trabalho a respeito do anúncio feito nesta quinta pela GM de um investimento de R$ 1,4 bilhão para modernização da planta de Gravataí (RS). Já seria censurável um ministério que se pretende do Trabalho comemorar a atração de uma multinacional às custas da redução dos direitos dos trabalhadores brasileiros. Mas esta conta pode ser retirada do débito da reforma. As negociações entre a GM e o governo gaúcho ocorrem reservadamente há aproximadamente dois anos. A Assembleia do Rio Grande do Sul aprovou um projeto prevendo a concessão de créditos presumidos a investimentos de setores automotivos ou de implementos rodoviários. O anúncio da montadora norte-americana já era, portanto, esperado, e vem na esteira da desvalorização do real, já que os automóveis visam ao mercado externo. A mudança na CLT poderá, portanto, apenas elevar os ganhos da companhia.

Problema mais sério, entretanto, é a concessão de incentivos fiscais, prática sempre atribuída à guerra entre os estados para atração de investimentos. Ganham as empresas, perde o poder público. Não se discute a movimentação na economia, mas sim o saldo deste apoio. Há dois anos, o governo gaúcho tem antecipando créditos fiscais (com deságio, claro) concedidos à GM e que seriam pagos ao longo de 20 anos. Em 2016, foram antecipados R$ 300 milhões. Quando a montadora iniciou sua fábrica em Gravataí, em 1997, a promessa era de gerar 100 mil empregos; o número real é cerca da metade. Na época, a assessoria econômica do PT na Assembleia Legislativa estima que, em 15 anos, o estado abriria mão de arrecadar cerca de R$ 1,7 bilhão. Ou seja, quase três vezes o valor do projeto, o que levou o então deputado estadual Flávio Koutzii a resumir a matemática em uma frase impactante: “É como dar duas fábricas de graça em troca de uma”.

 

Que é isso, companheiro?

A cretinice parlamentar por parte da liderança da bancada do neoPT na votação de ontem (quarta-feira) é um dos fatores elucidativos da fraca mobilização de rua no dito 'Fora, Temer'”, dispara outro Temer, o Milton, ex-PT e atualmente no Psol.

Ele explica que havia uma tática assumida coletivamente pelos partidos de oposição, ao que se opunha o deputado Carlos Zarattini, atual líder do PT. O objetivo era mostrar a fraqueza da política de compra de votos e tornar o mais fragilizada possível a maioria do Planalto. Simbolicamente, isso se traduzia em impedir que o relatório fosse lido e aprovado no dia anunciado por Rodrigo Maia.

Temer, o Milton, acusar Zarattini de garantir o quorum, “na linha preconizada pelo estafe de Lula, que joga no objetivo claro de preservar o líder”. Teoricamente, a manutenção de Temer, o Michel, sem ser investigado favoreceria, por isonomia, a preservação de Lula com condições de concorrer em 2018.

A vitória política poderia ser acachapante em favor do 'Fora, Temer', com a obrigatoriedade do adiamento da votação para hoje (quinta). Mas não, bizarramente, por conta de alguns votos virulentamente anti Planalto, mas na verdade garantidores do quorum que quase permitiu o arquivamento desejado pela direita ainda no início da tarde. Foi o lado mais triste da pantomima, e que explica a não existência de uma só bandeira da CUT ou do partido nas portas do Congresso, como normalmente teria que ocorrer”, finaliza Milton Temer.

 

Rápidas

A situação econômica do país e seu reflexo dentro da normalização será discutido na próxima reunião do Conselho Deliberativo da ABNT, 8 de agosto, na sede da entidade no Rio de Janeiro. Também em pauta, alterações no estatuto da entidade, incluindo o item “compliance” *** Bares e restaurantes de Santa Teresa, Lido e Botafogo chancelados pela Associação dos Produtores de Cachaça do Rio (Apacerj) como Embaixadas da Cachaça participam do Rio Gastronomia, que começa nesta sexta *** O Instituto Baccarelli leva a Orquestra Sinfônica Heliópolis este domingo ao Theatro Municipal de São Paulo, às 12h, com preços populares (R$ 10 e R$ 5) *** O Passeio Shopping, no bairro de Campo Grande (RJ), para celebrar o Dia dos Pais, receberá, nos dias 7 e 14, barbeiros profissionais que farão uma apresentação dos cortes de cabelo, dos tradicionais aos que estão na moda. Aluns clientes ganharão um corte na hora *** A Facha está com inscrições abertas para o Vestibular Social 2017. Serão distribuídas 50 bolsas de estudo de até 100%. A prova acontece 10 de agosto, no campus Botafogo. Inscrições: www.facha.edu.br/vestibular-social

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...